🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Vídeo não mostra policiais franceses em protesto contra medidas de restrição

Por Luiz Fernando Menezes

5 de abril de 2021, 16h58

É falso que um vídeo em que policiais franceses jogam algemas no chão seja de um protesto contra medidas de isolamento implementadas pelo governo para tentar conter a Covid-19, como alegam posts nas redes (veja aqui). A gravação é de junho de 2020 e retrata um ato de agentes de segurança após críticas contra brutalidade policial.

Publicações com a falsa atribuição acumulavam ao menos 262 mil compartilhamentos no Facebook nesta segunda-feira (5) e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta da rede social (veja como funciona). O conteúdo também circula no WhatsApp, mas, devido à natureza do aplicativo, não é possível estimar com precisão seu alcance.


Na França, policiais militares e policiais civis decidem não favorecer o sistema globalista e ficam ao lado da população, não irão fechar comércios e recolher mercadorias de cidadãos. Eles decidiram não rasgar os direitos constitucionais da própria pátria.

Um vídeo em que policiais jogam suas algemas no chão vem sendo compartilhado nas redes sociais como se representasse um protesto da força francesa contra as medidas de isolamento social. As imagens foram gravadas em meados de junho de 2020, já durante a pandemia da Covid-19, mas registram uma ação de agentes em resposta a manifestações civis e a críticas do então ministro do Interior, Christophe Castaner, que os classificou como violentos e racistas.

No começo daquele mês, cerca de 20 mil pessoas participaram de um protesto em Paris contra a brutalidade policial. O movimento foi organizado após uma investigação independente ter apontado que a morte do jovem Adama Traoré, ocorrida em 2016, teria sido causada pela ação violenta dos policiais. A manifestação aconteceu na esteira de atos realizados em todo o mundo após a morte do americano George Floyd, asfixiado por agentes de segurança nos EUA.

Após os protestos, o então ministro Christophe Castaner anunciou que iria banir a técnica do estrangulamento na ação policial e adotar uma postura de tolerância zero contra o racismo na instituição. Em sua fala, o ministro chegou a dizer que muitos dos agentes “falharam com seu dever republicano”.

Foi a vez, então, dos policiais franceses realizarem protestos em diversos locais do país. Em meados de junho, oficiais se reuniram em locais públicos e jogaram suas algemas no chão por acreditarem que o posicionamento de Castaner era de abandono da força policial. Segundo a liderança do movimento, se o governo não mudasse a atitude, “os policiais vão apenas deixar suas ferramentas no chão e parar de prender pessoas”.

No vídeo que vem sendo compartilhado nas redes sociais é possível ouvir um dos homens falando, em francês, que o protesto dos policiais seria destinado ao ministro: “eles vêm simbolicamente entregar suas algemas e armas não-letais para denunciar a proposta de Christophe Castaner do começo da semana. Eles sentiram que a intervenção do ministro de Interior foi de certa forma uma estigmatização da profissão. (...) Eles pedem uma tomada de posição do ministro do Interior notadamente sobre as técnicas de interpelação dizendo que se elas forem proibidas isso afetará sua capacidade de intervenção”.

Outros registros desses protestos podem ser vistos na imprensa internacional, como na Time, na BBC e na Ruptly (assista ao vídeo abaixo):

Outras peças de desinformação que relacionavam de forma enganosa as imagens com protestos contra as medidas de restrição circulam em outras línguas desde o segundo semestre de 2020 e foram desmentidas pela equipe da Reuters.

Referências:

1. Time (1 e 2)
2. BBC (1 e 2)
3. France24
4. rfi
5. Ruptly
6. Reuters


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.