🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Vídeo de teste positivo para Covid-19 em kiwi não prova que exames são ineficazes

Por Priscila Pacheco

11 de janeiro de 2021, 19h14

Um vídeo que mostra um resultado positivo para Covid-19 após aplicação de um teste de antígeno em um kiwi não prova que os exames para detectar a doença sejam ineficazes ou facilmente manipuláveis, como sustentam postagens nas redes sociais (veja aqui). Se usados fora das condições para que foram formulados — neste caso, a mucosa do nariz humano —, os testes podem gerar falsos positivos.

As postagens enganosas contavam com centenas de compartilhamentos nesta segunda-feira (11) no Facebook e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona). O vídeo também foi enviado pelo WhatsApp por leitores do Aos Fatos como sugestão de checagem (inscreva-se aqui).


Cientistas italianos submeteram um kiwi ao teste para Corona. É. Deu positivo. Fé nos testes da "Siênssia". E você acreditando em segunda onda. Desse jeito qualquer pessoa testa positivo.

Não é verdade que um vídeo no qual profissionais de saúde italianos afirmam ter obtido resultado positivo para Covid-19 ao aplicarem um teste de antígeno a um kiwi prove que os exames que detectam a doença são ineficazes e manipuláveis, como se alega nas redes sociais. Se aplicado em condições diferentes para as quais foi formulado, o exame acusará diagnósticos aleatórios, inclusive falsos positivos. Isso não é capaz de medir sua eficácia.

De acordo com Gildo Girotto, químico e pesquisador da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), como o teste tem reagentes específicos, mudar as condições do pH, da temperatura ou mesmo ter contato com outras substâncias - açúcares, conservantes, etc - pode causar alterações nos componentes do exame e gerar diagnósticos falsos.

“Se quisermos fazer o teste em alimentos, teremos que construir um teste específico para as condições do alimento - pH, temperatura, composição - de modo que elas não interfiram no resultado”, afirmou .

O teste utilizado no vídeo é o de antígeno, que tem resultado mais rápido e menos preciso do que o RT-PCR. tido como padrão ouro em eficácia e recomendado para confirmar o diagnóstico da doença. Segundo o Ministério da Saúde, resultados negativos de testes rápidos não excluem a possibilidade de infecção nem os positivos podem ser usados como evidência absoluta de Covid-19.

Além disso, os testes em uso no país são avaliados e autorizados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Para obter o registro, as empresas precisam apresentar a AFE (Autorização de Funcionamento de Empresa), a CBPF (Certificação de Boas Práticas de Fabricação) e resultados de ensaios clínicos, fluxo de produção, estudo de estabilidade e outros dados que sustentem a segurança, eficácia e qualidade do produto.

Participantes do vídeo. O vídeo completo tem cerca de 36 minutos e foi compartilhado por sites italianos. Um dos participantes do experimento chama-se Mariano Amici, médico que já foi advertido por associações médicas da Itália por difundir informações falsas relacionadas à vacinação contra Covid-19. Amici também já difundiu outra desinformação sobre testes, conforme mostra uma checagem do site italiano Facta.

O homeopata Stefano Scoglio nega a existência da pandemia, questiona os dados, as vacinas e os testes. Ele faz parte de um grupo que assina um artigo publicado em preprint (sem revisão por pares) no qual é questionada a eficácia dos testes RT-PCR. O terceiro integrante do vídeo é Domenico D'Angelo, médico e técnico de laboratório.

O vídeo foi checado por diversos sites, entre eles os italianos Facta e Giornalettismo, o lituano Delfi e, no Brasil, pelo Estadão e Boatos.org.

Referências:

1. OMS
2. Ministério da Saúde
3. Anvisa
4. CDC
5. BMJ
6. FNOMCeO
7. Metrópoles
8. EFE
9. Bufale.net
10. Facta (Fontes 1 e 2)
11. Giornalettismo
12. Delfi
13. Estadão
14. Boatos.org


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.