Vídeo de policiais limpando rua circula como se fosse registro de fraude eleitoral nos EUA

Por Luiz Fernando Menezes

9 de novembro de 2020, 17h50

Não são votos das eleições nos EUA descartados os envelopes e as caixas que aparecem sendo recolhidos por policiais em vídeo que circula nas redes sociais. O registro mostra apenas oficiais do condado de Boone, em Kentucky, retirando caixas da Amazon que haviam sido descartadas em um matagal, conforme afirmou o gabinete do xerife local ao Aos Fatos.

A peça de desinformação foi publicada por diversas páginas e perfis pessoais no final de semana e acumula, até o começo da tarde desta segunda (6), ao menos 19 mil compartilhamentos no Facebook. A publicação foi marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


FALSO

Um vídeo em que policiais retiram envelopes e caixas do meio de um matagal vem circulando nas redes sociais como se mostrasse votos descartados nos EUA, o que seria um registro de fraude eleitoral. Isso, no entanto, é falso: os oficiais estavam apenas retirando caixas vazias de entregas que haviam sido jogadas no local.

Alguns usuários do TikTok identificaram que a gravação provavelmente ocorreu no condado de Boone, em Kentucky. O Aos Fatos então enviou o vídeo para o gabinete do xerife local, que confirmou que as imagens foram registradas na região: “Nossos oficiais apareceram após um relato de que uma grande quantidade de pacotes da Amazon estavam localizados na área florestal. Os pacotes parecem ter sido abertos e depois descartados. Representantes da Amazon confirmaram que os pacotes eram deles”. Não há, portanto, relação com fraude eleitoral.

O vídeo original foi publicado pelo usuário @kuntefason no TikTok sem nenhuma legenda que identificasse os envelopes ou a localização da gravação. A alegação de que se tratava de uma apreensão de votos descartados veio dos usuários da própria rede social.

Publicações que sugerem que as autoridades teriam encontrado votos republicanos descartados nas ruas têm sido comuns desde a data do pleito. Para fazer a falsa alegação, peças já utilizaram uma foto de cartas jogadas no chão em 2018, outra que mostrava cédulas vazias enterradas no Arizona e até uma imagem de votos de 2018 em processo de contabilização.

Referências:

1. Aos Fatos (Fontes 1, 2 e 3)

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.