Veja o que checamos no debate da Band no Rio

Compartilhe

Com embates nas áreas de segurança pública, educação, habitação e contas públicas, os candidatos à Prefeitura do Rio participaram nesta quinta-feira (25) do debate da Band. Em parceria com o UOL, Aos Fatos checou em tempo real algumas das declarações dos candidatos. Veja o resultado abaixo e mais detalhes sobre a cobertura no site do UOL.


VERDADEIRO
Hoje nós temos um efetivo de 7.500 homens na GCM - Flavio Bolsonaro (PSC)

A Prefeitura confirma a informação: mais de 7.500 guardas municipais e 380 funcionários administrativos.


IMPRECISO

A receita do município do Rio de Janeiro teve queda de 6%, entre 2014 e 2015.
— Carlos Osorio (PSDB)

De acordo com da Controladoria Geral do Rio de Janeiro, a receita arrecadada aumentou 8,47%, para R$ 23,535 bilhões em 2015, ante R$ 22,696 bilhões, 2014. Apesar de não ter havido queda na arrecadação, a previsão de execução orçamentária era de R$ 30,189 bilhões, mas foram executados apenas R$ 26,388 bilhões, 13% a menos do que o previsto.


VERDADEIRO

A Olimpíada foi bancada com recurso federal.
— Jandira Feghali (PC do B)

Ao defender o legado de Lula e Dilma, a candidata Jandira Feghali (PCdoB) afirmou que a Olimpíada foi bancada por recursos do governo federal. Inicialmente, Aos Fatos concedeu à afirmação o selo IMPRECISO, mas reviu sua classificação para VERDADEIRO. A declaração corresponde com os dados da Matriz de Responsabilidades Rio 2016.

A última atualização do documento, publicada no último dia 12, mostra que a maior parte do dinheiro para o evento (60%) veio da iniciativa privada, que desembolsou R$ 7,09 bilhões. O governo federal financiou diretamente 18% dos Jogos (R$ 1,33 bilhão).

Atualização: Em nota, a Prefeitura do Rio disse que ter sido responsável por mais de 70% do financiamento das obras olímpicas. "Deste total viabilizado pela prefeitura, 60% são recursos privados, provenientes de Parcerias Público Privadas (PPPs), firmadas e gerenciadas pelo município. Os outros 10% são oriundos de recursos próprios da prefeitura", disse.

A Prefeitura pediu a mudança da classificação da declaração da deputada, mas Aos Fatos mantém sua apuração. A obra foi bancada com recursos federais, como já demonstrado.


EXAGERADO
A Prefeitura fez a Olimpíada sem se envolver em escândalos de corrupção. — Pedro Paulo (PMDB)

Pedro Paulo (PMDB) disse que a Prefeitura do Rio provou ser capaz de fazer um evento como a Olimpíada sem se envolver com escândalos. No entanto, a revitalização da zona portuária do Rio, onde foi instalado o boulevard olímpico, é alvo da Operação Lava Jato.

A região não faz parte, oficialmente, da Matriz de Responsabilidades da Rio 2016, portanto não é contabilizada pela Prefeitura como obra olímpica. No entanto, a obra faz parte de uma série de intervenções contratadas por ocasião dos Jogos.

Cunha foi denunciado no dia 10 de junho pela Procuradoria Geral da República por suposto recebimento de R$ 52 milhões de propina proveniente do Porto Maravilha. A acusação foi feita com base nas delações dos empresários Ricardo Pernambuco Júnior e Ricardo Pernambuco, da Carioca Engenharia, empresa que integra o consórcio responsável pelas obras, em parceria com a Odebrecht e a OAS.


VERDADEIRO
Os quatro primeiros anos do governo Eduardo Paes foram exitosos, sobretudo na educação. Melhorou-se o nível de horário integral e melhoraram também os índices do Ideb. Mas os últimos quatro anos foram trágicos. Estagnou no índice do Ideb. — Marcelo Crivella (PRB)

Ao fazer pergunta a Pedro Paulo (PMDB), o candidato Marcelo Crivella (PRB) disse que a qualidade da Educação municipal ficou ‘estagnada’ no segundo mandado do prefeito Eduardo Paes (PMDB), apesar de melhorias observadas no primeiro governo. Inicialmente, Aos Fatos considerou a afirmação IMPRECISA, mas reviu e classifica agora como VERDADEIRA.

Na avaliação de 8ª série / 9º ano do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), do Ministério da Educação, o Rio pontuou 4,4 em 2011 e 2013. Em 2009, primeiro ano de Paes na prefeitura, a nota foi 3,6. A diferença é de 0,8 ponto, porém conquistados apenas entre 2009 e 2011.

Na avaliação de 4ª série / 5º ano, a avaliação caiu de 5,4 (2011) para 5,3 (2013). Em 2009, o Rio tirou 5,1 no Ideb. Desde o início da gestão, variou 0,2 ponto. Os dados estão aqui.


IMPRECISO

A Prefeitura investiu R$ 65 bilhões em saúde e educação.— Pedro Paulo (PMDB)

O candidato Pedro Paulo (PMDB) superestimou o investimento da Prefeitura em saúde e educação em ao menos R$ 8 bilhões. A diferença ocorre porque, segundo a Prefeitura, os R$ 65 bilhões citados pelo candidato incluem os valores empenhados para este ano.

Isso significa que os valores foram reservados para serem gastos com saúde e educação em 2016. Contudo, eles não foram ainda efetivamente gastos, basicamente porque o ano ainda não terminou.

Os valores empenhados totalizam R$ 64,3 bilhões --R$ 700 milhões a menos do que o citado pelo candidato. Até julho, haviam sido gastos R$ 57 bilhões nas duas áreas.

O mesmo erro já havia sido cometido pelo atual prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB) durante entrevista ao Programa do Jô, na TV Globo. Aos Fatos revelou a controvérsia em julho.


FALSO
Ele [Jair Bolsonaro] é réu por estupro, não há nenhuma surpresa nisso. — Jandira Feghali (PC do B)

A candidata Jandira Feghali (PC do B) errou ao afirmar que o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é réu por estupro. O deputado é, na verdade, réu no Superior Tribunal Federal por incitação ao crime estupro. A candidata fez a afirmação ao comentar que o deputado federal a teria impedido de ajudar o candidato Flávio Bolsonaro (PSC).

As acusações contra Jair Bolsonaro, por sua vez, se referem às falas dele no plenário da Câmara e durante entrevistas em que afirmou que só não estupraria a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), ex-ministra de Direitos Humanos, porque ela "não merecia".


IMPRECISO

Esse processo foi julgado pela Procuradoria Geral da República, pelo doutor Janot, foi julgado pelo Supremo Tribunal Federal e decidiu que eu sou inocente.
— Pedro Paulo (PMDB)

O candidato Pedro Paulo (PMDB) disse que o inquérito que investigava agressões cometidas por ele contra sua ex-mulher “foi julgado pelo STF [Supremo Tribunal Federal]”, que decidiu pela sua inocência. A informação é IMPRECISA, pois o processo foi arquivado pelo ministro Luiz Fux e não passou por julgamento na Corte.

A assessoria do candidato entrou em contato com Aos Fatos para contestar a checagem: “Se o processo foi arquivado, é porque [Pedro Paulo] foi inocentado. Durante dez meses todas as partes foram ouvidas, incluindo o perito. Pedro não tem nenhuma acusação, logo é inocente”, disse.


VERDADEIRO
Um professor de ensino infantil recebe menos que um professor de ensino fundamental. — Alessandro Molon (Rede)

A afirmação do candidato Alessandro Molon (Rede) está correta. O salário-base dos professores do ensino infantil no município do Rio é de R$ 3.879,41; o do ensino fundamental, de R$ 4.866,33, segundo a Prefeitura do Rio. Inicialmente, Aos Fatos verificou a informação junto à Secretaria de Educação do Rio, que mantinha valores desatualizados em seu site. A informação foi corrigida às 15h12 do dia 26 de agosto de 2016.


FALSO
Jandira é acusada de receber propina [na Lava Jato]. — Pedro Paulo (PMDB)

O candidato Pedro Paulo (PMDB) errou ao afirmar que Jandira Feghali (PC do B) é acusada de receber propina no âmbito da Operação Lava Jato. A candidata foi citada na delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, por ter recebido R$ 410 mil em doações de duas subsidiárias da construtora Queiroz Galvão durante a campanha eleitoral em 2014. A empresa é investigada por pagamento de propina na Operação Lava Jato.

Machado afirmou na delação que Jandira pediu dinheiro diretamente a ele. No entanto, Jandira não foi denunciada pelo Ministério Público e tampouco é ré neste caso.

Durante o debate, Jandira pediu direito de resposta. A candidata alegou que não tem conta no exterior nem apoia corrupto. “Ninguém aqui tem a ficha mais limpa que a minha”, acrescentou. Não é uma declaração possível de ser checada, no entanto.


FALSO
Precisamos urbanizar as favelas, sanear e criar habitação para superar um déficit que é de 400 mil habitações. — Jandira Feghali (PC do B)

A candidata Jandira Feghali (PC do B) errou ao afirmar que o deficit habitacional na cidade do Rio de Janeiro é de 400 mil residências. De acordo com a última pesquisa da Fundação João Pinheiro, feita em parceria com o Ministério das Cidades e relativa ao ano de 2010, o déficit foi de 220 mil residências na capital.

O número mencionado pela candidata se aproxima do verificado em todo o Estado do Rio: 398.794.


IMPRECISO

Não há nada contra mim.
— Marcelo Crivella (PRB)

Marcelo Crivella (PRB) foi impreciso ao afirmar que não tem nenhum questionamento a gestão dele no Ministério da Pesca. Não é bem assim. O candidato não foi acusado formalmente, mas a CGU (Controladoria-Geral da União), em relatório de auditoria, apontou desvios de recursos públicos durante a gestão de Crivella, em 2014.

A CGU apontou casos de pagamentos indevidos a servidores e falhas na condução de processos licitatórios e no aditamento de contratos. À época, Crivella negou as acusações.


EXAGERADO
96% das escolas públicas não têm manutenção, segundo um relatório do Tribunal de Contas. — Índio da Costa (PSD)

O candidato do PSD usa dados de um relatório do Tribunal de Contas do Município que acusa redução de repasses para manutenção de escolas do Rio. O documento é resultado do programa Visita às Unidades Escolas, de monitoramento da autarquia em 372 escolas do 6º ao 9º ano.

Essas escolas não representam o universo das escolas públicas municipais do Rio, diferentemente do que Índio da Costa disse. Além disso, segundo o relatório, "no exercício de 2015, foram visitadas 195 escolas correspondendo a aproximadamente 52% de todas as unidades dentro das condições já mencionadas".

Na auditoria do Tribunal de Contas do Município, não há um dado objetivo de 96% de escolas com problemas de manutenção. Pesquisa com pais e alunos diz, por exemplo, que eles classificaram a qualidade da unidade escolar como boa ou excelente, com percentuais acima de 80%.

Porém, 21,5% dos alunos responderam que escola quebrada ou danificada é dos principais problemas da sua unidade. Outros 8,9% relataram que escola suja é destaque.


IMPRECISO

As OSs não são controladas.— Carlos Osorio (PSDB)

O candidato Carlos Osorio (PSDB) afirmou que as organizações sociais (OSs) não são controladas. A afirmação não é precisa, pois o Tribunal de Contas Municipal (TCM) faz auditorias regulares.

Como resultado da última auditoria, 8 das 10 OSs que administram 108 das 248 unidades de saúde da prefeitura do Rio são investigadas em procedimentos no Ministério Público estadual e em ações no Tribunal de Justiça do Rio por suspeitas de irregularidades. As investigações têm por base 16 auditorias realizadas pelo TCM.

Compartilhe

Leia também

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans