Tirol não proibiu o uso da bandeira do Brasil em caminhões e na fábrica

Compartilhe

Não é verdade que a Tirol, empresa produtora de laticínios, tenha proibido a exibição da bandeira do Brasil em seus caminhões e no pátio da fábrica em Santa Catarina, conforme afirmam postagens nas redes sociais (veja aqui). Em nota, a empresa nega que tenha vetado o uso do símbolo e Aos Fatos também não encontrou qualquer evidência de que a tal proibição esteja em prática neste momento.


Postagens que circulam nas redes sociais enganam ao afirmar que a Tirol, empresa produtora de laticínios fundada em Santa Catarina, tenha proibido o uso de bandeiras em caminhões e no pátio da fábrica. Em nota publicada no Facebook e no Instagram, a Tirol desmentiu a existência do veto.

“A Tirol esclarece que não é do seu conhecimento nenhuma proibição do uso de símbolos nacionais e que o fato não condiz com as orientações da direção da empresa, que inclusive os utiliza na sua sede matriz”, afirma a nota. A empresa não informou se os caminhões dos laticínios costumam ser enfeitados com a bandeira do Brasil.

No último domingo (5), a empresa também publicou nas redes sociais uma imagem que exibe a bandeira brasileira e a citação “Independência do Brasil. 07 de setembro”. Em pesquisas realizadas em sites de busca, o Aos Fatos não encontrou reportagens ou publicações de funcionários que indiquem a obrigação de retirada dos símbolos nacionais.

A desinformação também foi checada pelo Boatos.org.

Referências

  1. Facebook Tirol (1 e 2)
  2. Instagram Tirol (1 e 2)
  3. Tirol

Compartilhe

Leia também

falsoVídeo de Kamala Harris dizendo que ‘hoje é hoje’ foi alterado por IA

Vídeo de Kamala Harris dizendo que ‘hoje é hoje’ foi alterado por IA

falsoJanja não tem relação com escolha do uniforme do Brasil para a Olimpíada

Janja não tem relação com escolha do uniforme do Brasil para a Olimpíada

Maduro mente ao alegar que votação brasileira não é auditada e ignora denúncias sobre eleições venezuelanas

Maduro mente ao alegar que votação brasileira não é auditada e ignora denúncias sobre eleições venezuelanas