Cesar Maia doou R$ 284 mil à campanha do filho em 2014

Compartilhe

Eleito em 2014 deputado federal pelo Rio de Janeiro, o novo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), teve 12,3% da sua campanha paga pelo seu pai, o ex-prefeito e vereador da capital fluminense, César Maia (DEM).

Segundo a prestação de contas enviada pelo deputado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a campanha de Rodrigo Maia custou R$ 2,3 milhões, dos quais R$ 284 mil foram financiados pelo seu pai. Trata-se do segundo maior valor doado individualmente para a campanha, que também contou com doações de seis dígitos de milionários como o empresário do setor de logística Richard Klien e o investidor Antônio José Almeida Carneiro, também conhecido como Bode. O banco BMG foi seu maior financiador.

Em 2010, quando concorreu ao Senado pelo Estado do Rio, Cesar Maia declarou ter um patrimônio de R$ 73 mil, de acordo com as bases do TSE. Constavam de sua lista de bens um fundo de investimento em renda fixa do Itaú, no valor de R$ 3 mil; outra aplicação em renda fixa no valor de R$ 38 mil; e cotas do capital de duas empresas nos valores de R$ 1,5 mil e R$ 29 mil.

Na campanha municipal de 2012, quando foi eleito vereador, alegou não ter patrimônio algum. Em reportagem do jornal O Globo naquele mesmo ano, afirmou não ter mais bens porque repassou para seus filhos. O mesmo ocorreu em 2014, quando o patriarca concorreu a uma cadeira ao Senado, sem sucesso. Além de Rodrigo, Cesar é pai de Daniela.

"Normalmente, os executivos que têm patrimônio, aos 65 anos, repassam os bens a seus filhos, esposa e netos. Como minha saúde não era perfeita, comecei a transferir os bens com 60 anos de idade e completei a transferência com 65 anos. É mais prático que testamento", disse àquela época ao jornal.

Entretanto, dentre os bens declarados por Rodrigo Maia também em 2012, quando concorreu à Prefeitura do Rio, não há registro dos investimentos em renda fixa declarados dois anos antes pelo seu pai. Há, entretanto, um apartamento em São Conrado que era do ex-prefeito no início da década anterior, quando concorreu e venceu as campanhas para o Executivo municipal. Em 2000, Cesar declarou patrimônio avaliado em R$ 1 milhão. Em 2004, quando reeleito, afirmou ter R$ 1,7 milhão.

Veja, em nosso levantamento, o que Cesar e Rodrigo Maia declararam como patrimônio desde 2010 e as doações eleitorais do novo presidente da Câmara.

Um vereador recebe mensalmente R$ 18.991,68 sem descontos, de acordo com o site da Câmara Municipal do Rio. Seus vencimentos líquidos correspondem a R$ 14.266,40.

Em um ano, sem benefícios e gratificações, esse valor corresponde a cerca de R$ 171 mil. No período entre a sua posse, em 2013, e o início da campanha de Rodrigo, em 2014, o patriarca da família Maia teria acumulado algo como R$ 240 mil, em valores ajustados pelos vencimentos atuais. Ainda que fosse integralmente gasto com a campanha do filho, não há como seu salário como vereador ter custeado os R$ 284 mil da eleição.

Questionada, a assessoria de imprensa de Cesar Maia respondeu quase 24 horas depois de publicada esta reportagem, apesar de a solicitação ter sido feita no início da tarde desta segunda-feira (18). Afirmou, entretanto, que o dinheiro em questão tem origem nas doações eleitorais de sua campanha ao Senado em 2014.

Aos Fatos checou a alegação. Verificou que, na ocasião, o vereador arrecadou R$ 4,5 milhões, inclusive de doadores que também constam da lista de seu filho. O repasse é legal, mas deve ser registrado como originário de outra campanha nas bases do TSE, o que não ocorre. Toda doação de comitê de campanha de 2014 deve ser registrada como "Eleições 2014 + Nome do Candidato". Não foi o caso.

Financiamento privado. Em 2015, Rodrigo Maia foi relator da minirreforma política na Câmara. Em seu texto, propôs a rejeição da proibição de doações de pessoas jurídicas a partidos políticos, hoje barrada pelo Supremo Tribunal Federal, e a supressão do limite de 10% dos rendimentos anuais para doação de pessoas físicas. A autodoação, contudo, ainda é permitida.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada no último sábado (16), disse, todavia, que "o financiamento empresarial não vai voltar tão cedo".


A reportagem foi alterada às 18h02 do dia 19 de julho de 2016 para incluir a resposta da assessoria de imprensa de Cesar Maia. A apuração original se mantém.

Compartilhe

Leia também

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

falsoServiço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

Serviço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump