🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

São falsos tweets em que Freixo pede fim da polícia

Por Luiz Fernando Menezes

14 de outubro de 2020, 15h45

Foram publicados por uma conta falsa os tweets em que o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) diz, por exemplo, que a Polícia Militar deveria acabar e que “bandido bom é bandido com os direitos humanos respeitados e família assistida”. O perfil que publicou as postagens foi o @MarceloFrexo, enquanto o oficial é @MarceloFreixo, com “i”.

Os tweets falsos viralizaram nas redes durante a campanha eleitoral de 2016, quando Freixo era candidato à Prefeitura do Rio. Nas últimas semanas, o conteúdo voltou a figurar nas redes, reunindo centenas de compartilhamentos em posts recentes. Todos foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação do Facebook (entenda como funciona).


FALSO

Voltaram a circular nas redes sociais tweets falsos do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) sobre segurança pública. As postagens, na verdade, foram feitas pela conta @MarceloFrexo no Twitter em 2016. A conta oficial de Freixo é @MarceloFreixo, com “i”.

O Aos Fatos pesquisou por tweets semelhantes feitos por Freixo no Twitter, mas não obteve resultados. A única ocasião em que o deputado falou sobre “fim da PM” foi para rebater a crítica de um usuário sobre a PEC 51/2013, que propõe a desmilitarização da polícia. Já a expressão “bandido bom” só foi utilizada em um tweet de 2019 no qual ele dizia que “Bandido bom é bandido transformado em trabalhador”.

Publicações semelhantes viralizaram nas redes em 2016, quando Freixo era candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro. Na época, o próprio deputado desmentiu a peça de desinformação em seu Twitter, alertando que a conta cujas publicações estavam viralizando era falsa.

Vale lembrar que Freixo não está concorrendo a nenhum cargo nestas eleições, embora seja o principal cabo eleitoral da candidatura da deputada estadual Renata Souza, também do PSOL carioca. Até o começo do ano, ele era o mais cotado do partido para a disputa, mas se retirou alegando que não conseguiu articular uma frente única de esquerda na cidade.

O Estadão Verifica também desmentiu a peça de desinformação.

Referências:

1. Twitter (@MarceloFreixo 1, 2, 3 e 4)
2. Senado
3. UOL

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.