Comissão no Senado se alinha a Pacheco para aprovar projeto de lei sobre IA até abril

Compartilhe

O presidente e o relator da comissão especial criada no Senado para debater a regulação de IA (inteligência artificial) pretendem aprovar até abril o principal projeto sobre o tema. O colegiado irá acelerar as discussões para cumprir a meta proposta pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de que o projeto de autoria dele (PL 2.338/23) seria votado no plenário ainda no primeiro semestre.

  • O projeto cria um marco legal para inteligência artificial no país e propõe uma regulação baseada em riscos, estabelecendo sistemas de IA de “risco excessivo”, cuja utilização será proibida, e outros de “alto risco”, regulados por normas estritas de desenvolvimento e uso;
  • O texto foi elaborado nos moldes da lei europeia, a partir do relatório de uma comissão de juristas que analisou outras quatro propostas de regulação sobre o tema em tramitação no Senado, além de projetos legislativos internacionais;
  • Os outros projetos apostam no chamado “viés principiológico”, estabelecendo direitos e deveres de usuários e desenvolvedores de IA, sem escalonamento de riscos.

Mesmo se aprovado esse ano, o projeto de Pacheco não valeria para as eleições municipais em outubro devido ao prazo constitucional, mas poderia servir como parâmetro para resoluções do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre o tema.

Leia mais
Investigamos Congresso deixa de aprovar projetos de lei para combater desinformação nas eleições de 2024

O presidente da comissão de IA, Carlos Viana (Podemos-MG), disse por meio de sua assessoria que a votação até o final de abril é “bem possível”, avaliação que também foi confirmada pelo relator, o senador Eduardo Gomes (PL-TO).

  • O prazo de funcionamento do colegiado foi postergado em dezembro, por mais 120 dias, com previsão de encerramento em maio — o que a princípio seria após o que foi proposto por Pacheco;
  • Instaurada em agosto do ano passado, a comissão fez 14 reuniões desde então, incluindo 10 audiências públicas, das quais participaram mais de 70 interessados de diferentes setores (academia, governo, empresas);
  • Em novembro, o projeto foi enviado ao relator, que ainda não concluiu os trabalhos;
  • Também foram apresentadas três novas emendas, duas de autoria do senador Carlos Viana e uma do senador Marcos Pontes (PL-SP);
  • Ainda não há data para a próxima reunião.

Depois de passar pela comissão, o projeto deverá ser votado no plenário do Senado. Caso aprovado, o texto segue para a Câmara dos Deputados. Na última reunião, ainda em 2023, o relator Eduardo Gomes falou sobre a possibilidade de realização de debates temáticos antes da votação final, mas não comentou se os planos estão mantidos.

Leia mais
BIPE Com eleições e ‘PL das Fake News’ estagnado, regulação de IA ganha força para 2024
Investigamos Pacheco concentra debate sobre IA e freia PL aprovado na Câmara com apoio de big techs

A aprovação de uma regulação da IA também sofre pressão de outros senadores, que seguem apresentando novas propostas.

  • Em menos de um mês de funcionamento do Legislativo, já foram apresentados cinco projetos de lei sobre o tema no Senado, um número recorde;
  • Em todo o ano passado, foram apresentados seis projetos;
  • A maioria trata de usos setoriais da tecnologia ou de direito autoral e de imagem;
  • Outro, o PL 210/2024, de autoria do senador Marcos do Val (Podemos-ES) traz mais uma proposta de carta de princípios para o uso da tecnologia.

Além de Do Val, que é investigado pelo STF (Supremo Tribunal Federal), também protocolaram propostas os senadores Chico Rodrigues (PSB-RR) e Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB).

Leia mais
BIPE Do Val viraliza mentiras sobre 8 de janeiro e é alvo de chacota na CPMI por ‘pendrive’

Na Câmara. Assim como Pacheco, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) também prometeu priorizar a regulação de inteligência artificial, com foco nas eleições municipais de 2024.

As discussões sobre o tema na Casa começaram em 2021, quando foi aprovado o PL 21/2020 de autoria do deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE) e encaminhado ao Senado, onde foi apresentado um substitutivo para o texto através do PL 2.338/23, sob relatoria de Gomes.

Desde então, a Câmara recebeu mais de 60 projetos sobre o tema, entre eles 15 que tratam especificamente da produção de deepfakes e três sobre o uso de IA em campanhas políticas — foco de Lira.

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Compartilhe

Leia também

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

falsoServiço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

Serviço Secreto não desautorizou disparo em autor de atentado contra Trump

não é bem assimReforma tributária não taxou em 25% todas as operações de compra e venda de imóveis

Reforma tributária não taxou em 25% todas as operações de compra e venda de imóveis