Fala de Fabíola Cidral sobre provocação a Bolsonaro se refere a Tebet, não a Vera Magalhães

Por Bruna Leite

31 de agosto de 2022, 16h38

É falso que a jornalista Fabíola Cidral afirmou que a jornalista Vera Magalhães queria deixar o presidente Jair Bolsonaro (PL) nervoso com uma pergunta no debate presidencial do último domingo (28), como afirmam publicações nas redes (veja aqui). As postagens tiram de contexto um trecho em que Cidral fala sobre a estratégia da candidata Simone Tebet (MDB) para o debate, que foi promovido por Band, UOL, Folha de S.Paulo e TV Cultura.

Publicações com o vídeo distorcido contabilizaram ao menos 1.400 visualizações no Facebook até esta quarta-feira (31).


Selo falso

Âncora revela que Vera Magalhães agiu como militante de propósito, para irritar o Presidente Jair Bolsonaro


Print de publicação no Facebook que desinforma ao dizer que fala da apresentadora Fabíola Cintra se referia à jornalista Vera Magalhães.

Uma fala da jornalista Fabíola Cidral ao UOL, no qual ela trabalha como colunista e apresentadora, tem circulado fora de contexto para dizer que a jornalista Vera Magalhães, apresentadora do Roda Viva, da TV Cultura, fez uma pergunta com o objetivo de irritar o presidente Jair Bolsonaro (PL) no debate entre presidenciáveis no último domingo (28). No vídeo original, Cidral comentava a estratégia da candidata Simone Tebet (MDB) naquela noite, o que é omitido nas postagens.

A fala completa de Cidral foi publicada pelo UOL no Instagram. Confira na íntegra:

“Saindo aqui do debate. E que debate, hein… Eu acho que o momento mais quente do debate, claro, foi quando Simone Tebet e Bolsonaro se enfrentaram e ela falou assim ‘eu não tenho medo de você’. E eu vou te confessar uma coisa: eu conversei com ela, logo na sequência, e ela falou pra mim assim: ‘Eu sabia que ele ia ficar nervoso. Eu fiz até de propósito, para mostrar quem ele é’. E foi muito interessante porque o presidente Jair Bolsonaro, em vários momentos, quis mostrar que ele não é machista, misógino, como alguns o acusam. E, segundo análise aqui de alguns colunistas nossos, ele não conseguiu isso. Ele sai do debate mal com as mulheres, que é um voto que ele precisa.”

O conteúdo enganoso recorta e isola o seguinte trecho — “Eu vou te confessar uma coisa: eu sabia que ele ia ficar nervoso, eu fiz de propósito para mostrar quem ele é” — e o associa a uma suposta fala da jornalista Vera Magalhães, o que não ocorreu.

Desde domingo, quando Vera Magalhães recebeu ataques ao vivo de Bolsonaro, a jornalista vem sendo alvo de publicações falsas ou distorcidas nas redes. No dia do debate, após Magalhães questionar o candidato sobre as vacinas contra a Covid-19, Bolsonaro respondeu:

“Vera, não podia esperar outra coisa de você. Eu acho que você dorme pensando em mim, você tem alguma paixão por mim. Você não pode tomar partido num debate como este, fazer acusações mentirosas a meu respeito. Você é uma vergonha para o jornalismo brasileiro.” Na sequência, Tebet questionou: “Candidato Bolsonaro, por que tanta raiva contra as mulheres?”

Não é a primeira vez que o presidente ataca jornalistas brasileiras. Em junho deste ano, ele foi condenado, em segunda instância, por ofender a repórter Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, autora de uma série de reportagens publicada em 2018 que revelou um esquema de disparos em massa de mensagens de WhatsApp, o que é proibido pela Lei Eleitoral.

Essa checagem também foi feita pelo UOL.


Referências:
1.UOL
2.Twitter
3.JOTA


Aos Fatos integra o Programa de Verificação de Fatos Independente da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.