Manifestação contra Lula em Curitiba foi registrada em 2018, não recentemente

Por Priscila Pacheco

22 de março de 2022, 12h06

Não foi gravado no último dia 18 de março, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de um evento em Curitiba (PR), o vídeo em que uma multidão grita palavras de ordem contra ele, como dizem postagens nas redes sociais (veja aqui). As imagens são de 7 de abril de 2018, dia em que o petista foi preso, e foram gravadas em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba.

A postagem enganosa conta com ao menos 1.343 no Facebook nesta terça-feira (22).


Selo falso

Lula em Curitiba agora à noite, 18/3/22, na filiação do Requião. Esta é mais uma forma de combater as fraudes das urnas nas eleições deste ano. É só acompanhar a agenda desse cretino e cada vez que ele botar a cara na rua, tem que reagir exatamente assim e não deixar ele sair nas ruas!!! Parabéns povo patriota.

Vídeo contra Lula de 2018 postado como atual

O vídeo que mostra uma aglomeração de pessoas que gritam “Lula, ladrão! O seu lugar é na prisão” e “o ladrão chegou” não foi gravado na última sexta-feira (18), como afirmam postagens nas redes sociais. As imagens foram registradas em 7 de abril de 2018, data em que o ex-presidente foi preso na sede da Polícia Federal em Curitiba (PR). O vídeo está no canal do site O Antagonista no YouTube desde o dia em que foi gravado.

Imagens semelhantes também foram publicadas pelo site Poder360 na mesma data. As peças de desinformação insinuam que o protesto teria ocorrido na chegada do político à cerimônia de filiação de Roberto Requião, ex-governador e ex-senador pelo Paraná, ao PT. O evento foi realizado na noite de sexta-feira no centro de eventos Expo Unimed Curitiba, localizado a cerca de 18 km de distância da Superintendência da Polícia Federal.

Apesar de ter ocorrido um conflito entre simpatizantes e manifestantes contrários a Lula durante a cerimônia, não foram encontradas imagens semelhantes às registradas em 2018. Foi a primeira viagem de Lula a Curitiba desde que deixou a prisão, em novembro de 2019.

Referências:

1. Agência Brasil
2. Globo Play
3. O Antagonista
4. Poder360
5. G1
6. Tribuna do Paraná (Fontes 1 e 2)
7. Estadão
8. BBC Brasil


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.