Protesto de indígenas na BA não foi motivado por promessa de dinheiro em ato contra Bolsonaro

Por Luiz Fernando Menezes

2 de maio de 2022, 14h27

É falso que indígenas tentaram invadir um prédio do governo da Bahia para cobrar dinheiro prometido na passeata contra o presidente Jair Bolsonaro (PL), como dizem postagens nas redes (veja aqui). O vídeo compartilhado mostra, na verdade, uma manifestação pela educação indígena que aconteceu em 26 de abril, no Centro Administrativo da Bahia, em Salvador.

O conteúdo enganoso reunia ao menos mil compartilhamentos no Facebook até a tarde desta segunda-feira (2). Publicações semelhantes também circulam no WhatsApp, onde não é possível estimar o alcance (Fale com a Fátima).


Selo falso

Os índios querendo invadir a Governadoria da Bahia para cobrar o dinheiro prometido na passeata contra o Presidente da República Bolsonaro em Porto Seguro-BA.

Vídeo de confronto entre policiais e indígenas na Bahia circula com falso contexto

Um vídeo em que indígenas tentam invadir um prédio do governo na Bahia é compartilhado nas redes sociais com a legenda enganosa de que eles estavam ali para cobrar dinheiro prometido pela gestão Rui Costa (PT), em passeata contra Jair Bolsonaro (PL).

Trata-se, na verdade, do registro de uma manifestação com reivindicações em favor da educação escolar indígena, segundo o Mupoiba (Movimento Unido dos Povos e Organizações Indígenas da Bahia). Os manifestantes estavam em Salvador para o 4º Acampamento dos Povos Indígenas da Bahia.

A motivação do protesto aparece em relatos da imprensa local e em nota publicada pelo governo da Bahia no dia da manifestação. O ato foi reprimido por policiais militares, que usaram gás de pimenta.

Na última quinta-feira, 28 de abril, o governo baiano se reuniu com os indígenas para retomar o diálogo. A principal reivindicação apresentada foi a equiparação salarial dos professores indígenas com os demais docentes da rede pública estadual.

Em nota enviada ao Aos Fatos, a assessoria do governo da Bahia disse que a alegação presente na peça desinformativa é falsa e que “o acampamento indígena conta com o apoio e incentivo do da Bahia, que está ao lado dos povos indígenas na defesa de suas pautas e na luta contra os retrocessos no âmbito federal”.

Protesto. A manifestação contrária ao presidente Jair Bolsonaro (PL) referida nas peças de desinformação aconteceu em Porto Seguro no dia 22 de abril, data em que o presidente visitou a cidade para participar de uma homenagem à chegada dos portugueses ao Brasil. O protesto foi organizado por ativistas da comunidade Pataxó, uma das etnias representadas no acampamento em Salvador.

Referências:

1. Facebook (Mupoiba)
2. Governo do Estado da Bahia (1 e 2)
3. Correio 24 Horas
4. Bahia Municipios
5. Alba
6. Revista Fórum
7. Metrópoles
8. Instagram (Mupoiba)


Aos Fatos integra o Programa de Verificação de Fatos Independente da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.