🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Posts usam fotos de enterro e do presidente do México ao alegar que Biden seria pedófilo

Por Luiz Fernando Menezes

11 de novembro de 2020, 12h28

É falso que duas fotos evidenciem momentos em que o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, assediou crianças sexualmente, como alegam postagens nas redes sociais (veja aqui). Na primeira, ele aparece consolando seu neto Robert Hunter Biden II no funeral de Beau Biden, pai do menino e filho do democrata. Já a segunda imagem mostra o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, beijando uma criança no rosto durante encontro com apoiadores em março deste ano.

Compartilhadas por perfis pessoais no Facebook com a acusação de que Biden seria pedófilo, peças de desinformação acumulavam ao menos 2.000 compartilhamentos até a tarde desta quarta-feira (11). Todas as postagens foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona).


FALSO

Ao reforçar a narrativa infundada de que o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, seria pedófilo, postagens nas redes sociais trazem duas imagens que comprovariam assédios feitos pelo político a crianças. Entretanto, uma das fotos foi tirada de contexto e a outra nem sequer retrata o político americano.

A primeira, registrada por Patrick Semansky, da AP, realmente mostra o democrata beijando o rosto de um menino, mas omite o contexto da situação. O garoto da imagem é seu neto Robert Hunter Biden II, e os dois estavam no velório de Beau Biden, pai de Robert e filho do democrata, morto em decorrência de um câncer em junho de 2015. Em um vídeo da ocasião, é possível ver Joe Biden e outras pessoas consolando o garoto.

Já a segunda imagem destacada nas peças de desinformação não mostra o presidente eleito dos EUA, mas o mandatário do México, Andrés Manuel López Obrador, que apareceu beijando o rosto de uma criança ao falar com apoiadores na saída de um hotel em março deste ano. O momento exato da foto pode ser visto na minutagem 0:28 do vídeo publicado pelo próprio político em seu Twitter.

A ação de López Obrador foi alvo de críticas no país que, na época, já havia registrado dezenas de casos confirmados da infecção do novo coronavírus. A própria Secretaria de Saúde mexicana recomendava, um mês antes, que as pessoas não se cumprimentassem com beijos e abraços para tentar evitar a disseminação do vírus.

As fotos também têm sido utilizadas em peças de desinformação americanas desde o início deste ano. Nos EUA, a Reuters e o Politifact publicaram checagens sobre o assunto e, aqui no Brasil, a Agência Lupa também desmentiu a postagem.

Referências:

1. AP
2. CBS News
3. Twitter (@lopezobrador_)
4. BBC

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.