Postagens distorcem resultados para dizer que Ibope e Datafolha erraram em 2018

Por Luiz Fernando Menezes

15 de setembro de 2022, 17h35

Postagens que circulam nas redes sociais usam uma comparação enganosa para afirmar que os institutos Ibope e Datafolha erraram “em dez pontos” antes da eleição presidencial de 2018 (veja aqui). No vídeo, os percentuais de votos totais são comparados com os votos válidos da eleição — que desconsideram brancos e nulos. A postagem também não cita as últimas pesquisas dos institutos: o Ibope fez uma pesquisa de boca de urna que mostrou dados semelhantes aos verificados na eleição de primeiro turno, enquanto o Datafolha divulgou um levantamento parecido na véspera da votação.

O vídeo enganoso acumula mais de 30 mil curtidas no Instagram e 11 mil compartilhamentos no Facebook até a tarde desta quinta-feira (15).


Selo falso

Nenhum instituto acertou a percentagem do primeiro turno. Todos erraram. O Ibope errou por dez pontos. O Datafolha por dez pontos. Que credibilidade essa gente tem?

Vídeo engana ao dizer que pesquisas eleitorais ‘erraram’ em dez pontos o resultado do primeiro turno de 2018

Um vídeo que circula nas redes sociais usa alegações falsas para afirmar que o Ibope e o Datafolha teriam “errado” em 2018, em relação aos resultados revelados nas pesquisas e aqueles que foram verificados nas urnas. Além de não citar as últimas pesquisas feitas pelos institutos, os textos mostrados nas imagens também comparam dados de votos totais e de votos válidos — que não levam em consideração os nulos e brancos.

Na eleição do dia 7 de outubro daquele ano, Jair Bolsonaro, então no PSL, recebeu 46% dos votos válidos, ante 29% de Fernando Haddad (PT). Para dizer que a pesquisa Datafolha errou, o texto compartilhado no vídeo afirma que o instituto publicou, na véspera do primeiro turno, uma pesquisa que apontava o presidente com dez pontos percentuais a menos do que o verificado nas urnas. Porém, no dia 6 de outubro, o instituto publicou um levantamento que apontava Bolsonaro com 40% dos votos válidos (6 pontos percentuais de diferença) e Fernando Haddad (PT) com 25% (4 pontos percentuais de diferença).

Os 10 pontos percentuais de diferença só são observados ao comparar os votos totais com os válidos, o que é incorreto. A pesquisa Datafolha mostrava Bolsonaro com 36% das intenções de voto na pesquisa que somava brancos e nulos e Haddad com 22%. O resultado do dia seguinte foi 42% de votos totais para Bolsonaro e 26% para Haddad, mesma diferença verificada nos votos válidos.

Na mesma data, o Ibope publicou uma pesquisa com resultados semelhantes: Bolsonaro com 41% dos votos válidos e 36% dos votos totais, e o petista marcando 25% dos votos válidos e 22% dos votos totais. As diferenças em relação ao resultado do pleito se assemelham às mostradas no Datafolha: 5 a 6 pontos percentuais para Bolsonaro e 4 pontos percentuais para Haddad.

A publicação omite ainda que o Ibope publicou, no dia do pleito, uma pesquisa de boca de urna, que é quando os entrevistadores questionam aos eleitores em quem eles acabaram de votar. No levantamento, foi estimado que Bolsonaro teria 45% dos votos válidos e Haddad, 28%. O resultado oficial ficou dentro da margem de erro da pesquisa, que era de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Leia mais
Explicamos Como são feitas as pesquisas eleitorais

Vale ressaltar que as sondagens eleitorais não tentam “acertar” o resultado de uma eleição, e sim retratar a opinião do eleitorado em um determinado momento. Diversos fatores ao longo da campanha podem fazer com que eleitores mudem de ideia, o que é refletido pelas pesquisas.

A informação enganosa foi originalmente compartilhada pelo jornalista Cláudio Humberto, do site Diário do Poder, e pelo pastor Silas Malafaia no Instagram. O Aos Fatos tentou contato com os dois, mas não obteve resposta até a publicação desta checagem.

A Reuters também publicou uma checagem sobre o assunto.

Referências:

1. O Estado de S.Paulo (Fontes 1 e 2)
2. Wayback Machine
3. UOL (Fontes 1 e 2)


Aos Fatos integra o Programa de Verificação de Fatos Independente da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.