Placa do governo do Pará mostra investimento de R$ 4,7 milhões para 20 pontes, não uma

Por Luiz Fernando Menezes

20 de abril de 2022, 10h40

É falso que o custo de R$ 4,7 milhões que aparece em placa do governo do Pará se refere à construção de apenas uma ponte de madeira, como afirma um homem em vídeo nas redes sociais (veja aqui). A cifra mencionada é relativa a 20 travessias erguidas na região de Goianésia do Pará (PA) em 2020, segundo a Secretaria de Transportes do estado.

Publicações com o vídeo enganoso contavam com ao menos 9.000 compartilhamentos no Facebook nesta quarta-feira (20) e circulam ainda no WhatsApp, onde não é possível estimar o alcance (Fale com a Fátima).


Selo falso

A obra prima… Ó, aqui, R$ 4 milhões.

Vídeo engana ao afirmar que ponte custou R$ 4 milhões

Em vídeo compartilhado nas redes sociais, um homem engana ao afirmar que o governo paraense pagou R$ 4,7 milhões para construir uma ponte de madeira. A cifra, presente em uma placa que detalha o convênio para construção, equivale ao custo de 20 pontes, afirmou a assessoria da Setran-PA (Secretaria de Transportes do Estado do Pará) ao Aos Fatos.

O convênio 007/2019 previa a construção de um total de 37 pontes de 500 metros de extensão em estradas vicinais na região de Goianésia do Pará por R$ 7,5 milhões. As 20 pontes estão dentro desse contrato, que consta hoje como finalizado. A prefeitura do município foi responsável pelas obras, por meio de parceria com o governo do estado.

As pontes de madeira integram um conjunto de obras de melhoria de rodovias realizadas pelo governo do Pará com prefeituras. Segundo nota da Setran-PA publicada em janeiro de 2020, os convênios somavam R$ 47 milhões de investimentos.

Aos Fatos não identificou o autor do vídeo ou a data da gravação, mas verificou que a publicação circula nas redes ao menos desde março deste ano.

Referências:

1. Diário Oficial do Pará
2. Setran-PA
3. Agência Pará


Aos Fatos integra o Programa de Verificação de Fatos Independente da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.


Esta reportagem foi publicada de acordo com a metodologia anterior do Aos Fatos.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.