Reprodução

🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

PolitiFact em português: checagens do último debate presidencial americano

19 de outubro de 2016, 21h41

Numa parceria inédita com o PolitiFact, plataforma de verificação de fatos americana vencedora do Pulitzer, Aos Fatos está traduzindo as checagens mais relevantes do último debate com os candidatos à Presidência dos Estados Unidos nesta quarta-feira (19).

Nesta página, agregamos conteúdo feito em tempo real pelo site americano e traduzimos o essencial. Para as checagens completas, será necessário visitar nosso parceiro, que publica suas apurações em inglês.

Aos Fatos e PolitiFact fazem parte da International Fact-Checking Network e assinaram, em setembro, um compromisso comum de transparência e cooperação.

Veja, abaixo, nossas checagens.


Há 90 mortes por armas de fogo por dia; aproximadamente 33 mil por ano. — Hillary Clinton

VERDADEIRO. De acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de doenças, foram registradas 33.636 mortes por armas de fogo em 2013 — ou 92 por dia, aproximadamente. Conforme as estatísticas, 63% delas foram resultantes de suicídios, enquanto 11.208 foram considerados homicídios. O restante foi classificado como disparos acidentais (505), intervenção legal/guerra (467) e não determinado (281).

De 2009 a 2012, há uma média de 89 mortes por arma de fogo por dia. Em 2009, foram 86 mortes por arma de fogo. Em 2012 e 2013, foram 92.

Veja mais detalhes aqui.


Heroína entra nos EUA pelas fronteiras do sul. — Donald Trump

VERDADEIRO. Ainda que o sudeste asiático seja o maior fornecedor de heroína para o mundo, praticamente toda a heroína disponível dos Estados Unidos têm origem no México e na América do Sul.

"México e, com participação menor, Colômbia, dominam o mercado de heroína norte-americano por conta de sua proximidade e habilidade de satisfazer a demanda dos EUA", diz Relatório Nacional sobre Ameaça das Drogas de 2015, elaborado pelo Departamento Americano de Combate às Drogas.

"O México continua como o principal fornecedor de heroína dos EUA", diz a página da Casa Branca em relatório sobre o mercado internacional da droga.

Veja mais detalhes aqui.


Não conheço o [Vladimir] Putin. — Donald Trump

CONTRADITÓRIO. O PolitiFact enumerou quatro ocasiões em que Trump disse ter alguma relação com o presidente russo, Vladimir Putin. Traduzimos duas.

1. Quando, em 2013, o jornalista da MSNBC questionou Trump a respeito de ter um "relacionamento" ou alguma proximidade com Putin, ele respondeu: "Eu tenho, sim, um relacionamento, e posso dizer que ele está muito interessado no que fazemos aqui hoje. Ele está possivelmente muito interessado no que eu e você estamos conversando hoje e tenho certeza de que ele está nos assistindo".

2. "Você sabe, eu estava em Moscou alguns meses atrás. Eu sou dono do evento da Miss Universo e eles me trataram muito bem. Putin até me mandou um presente, um bonito presente", disse Trump durante discurso na conferêncua da CPAC, em 2014.

Veja mais detalhes aqui.


Trump foi processado por discriminação. — Hillary Clinton

VERDADEIRO. Em 1973, com 27 anos, Trump era presidente da empresa de corretagem de imóveis de seu pai, a Trump Management. A firma administrava cerca de 40 prédios residenciais, a maioria em Nova York.

Naquele ano, o governo federal entrou com uma reclamação contra Trump, seu pai, Fred Trump, e a Trump Management. A ação alegava que a família violou a Fair Housing Act, que faz parte da Lei dos Direitos Civis, de 1968, que proíbe discriminação racial contra locatários e potenciais locatários.

O governo descobriu que a Trump Management dizia frequentemente a pessoas negras que não havia apartamentos disponíveis para aluguel em seus empreendimentos.

Veja mais detalhes aqui.


A Fundação Clinton recebeu dinheiro de países do Oriente Médio. — Donald Trump

VERDADEIRO. Ao menos 25 doadores contribuíram com mais de US$ 5 milhões para a Fundação Clinton desde sua criação. Seis são de governos estrangeiros.

Seis de 19 países doaram à Fundação Clinton em 2014: Alemanha, Canadá, Oman, Emirados Árabes, Austrália e Arábia Saudita. Não fica claro se esses países doaram em anos anteriores.

Além disso, os governos dos Emirados Árabes Unidos e da Arábia Saudita aderiram oficialmente à fundação da família Clinton.

Veja mais detalhes aqui.


Trump foi o único candidato a não publicar sua declaração de impostos. — Hillary Clinton

QUASE VERDADEIRO. O PolitiFact analisou um arquivo de declaração de impostos mantido pela Tax Analysts — publicação especializada em política tributária. O documento mostra que, em 1967, apenas um candidato não publicou suas declarações de impostos. Foi o republicano Gerald Ford, que perdeu a eleição para o democrata Jimmy Carter em 1976. Ele não publicou sua declaração, mas um resumo dela.

Veja mais detalhes aqui.


As eleições americanas são fraudulentas. — Donald Trump

FALSO. A campanha de Trump já havia indicado ao PolitiFact ter tirado a afirmação de um estudo do Pew Center que estimou que cerca de 24 milhões registros eleitorais não são mais válidos ou estão irregulares. Isso corresponde a um em cada oito títulos em situação inadequada.

No entanto, não há provas de que houve fraude eleitoral nos EUA. Há, na verdade, má administração e desorganização de arquivos de registros eleitorais.

Veja mais aqui.


Imigrantes têm mais benefícios do que veteranos de guerra. — Donald Trump

FALSO. Veteranos de guerra têm acesso a muito mais benefícios oficiais do que aqueles ofertados a civis, sejam eles legais ou ilegais. Imigrantes sem documentação não são elegíveis para o Medicaid (programa de saúde para baixa renda), Obamacare (conjunto de leis que regula planos de saúde e assegura acesso global a eles) e à seguridade social. Também são proibidos de se matricular em universidades em alguns estados.

Veja mais detalhes aqui.


Dezessete agências de inteligência dos EUA, civis e militares, concluíram que os ciberataques [que vazaram e-mails de políticos democratas] vieram do alto comando do Kremlin com o objetivo de influenciar as eleições. — Hillary Clinton

VERDADEIRO. Não há informações sobre quantas investigações independentes existem. No entanto, o diretor da Inteligência Nacional dos EUA, que representa as 17 agências federais de inteligência americanas, lançou um comunicado comum dizendo que as entidades estão seguras de que a Rússia está por trás dos ataques recentes aos e-mails de organizações políticas.

Esse comunicado atribuiu os ataques aos mais altos comandos do governo russo e disse que os atos têm como objetivo interferir nas eleições.

Veja mais detalhes aqui.


Hillary quer fronteiras abertas nos EUA. — Donald Trump

MAJORITARIAMENTE FALSO. Embora Hillary queira facilitar a permanência de imigrantes nos EUA, ela já disse repetidamente que apoia segurança nas fronteiras. Trump exagera quando diz que ela quer fronteiras abertas.

Num discurso feito em 2013 num evento do banco Itaú, no Brasil, ela defendeu "um mercado comum para o hemisfério, com livre comércio e fronteiras abertas e, em algum momento no futuro, com energia verde e sustentável". A candidata alega que falava estritamente de energia limpa, mas o PolitiFact não teve acesso ao discurso completo para atestar a informação.

Mais detalhes aqui.


Trump disse que toda pessoa sem documento deverá ser deportada. — Hillary Clinton

PARCIALMENTE VERDADEIRO. Trump disse em 31 de agosto que qualquer um que tenha entrado ou esteja nos EUA ilegalmente e que quer se regularizar deve voltar ao seu país de origem e se inscrever para ser admitido. Disse ainda que aqueles que entraram ilegalmente no país devem ser deportados.

Porém, Trump também disse que "dessa forma, e apenas dessa forma, o país estará em uma posição de considerar a permanência daqueles imigrantes que estiverem no país". Isso, segundo o PolitiFact, sugere que ele não pretende deportar literalmente qualquer pessoa sem documentação.

Leia mais detalhes aqui.


Hillary queria um muro entre os EUA e o México. — Donald Trump

PARCIALMENTE VERDADEIRO. Quando senadora, Hillary votou pela aprovação do projeto que pretendia criar uma cerca de 700 milhas na fronteira entre os EUA e o México. A lei foi sancionada pelo então presidente George W. Bush. No entanto, essa cerca é diferente daquele que Trump defende.

Segundo a Associated Press, a cerca foi colocada sobretudo em áreas urbanas e não corresponde ao tipo de muro que Trump quer construir às custas do governo mexicano. A cerca tem lacunas e portões que permitem que proprietários de terra tenham acesso a suas casas ao sul da divisa. Além disso, imigrantes costumam transitar entre os dois lados da cerca.

Para mais detalhes, leia aqui.


Para mais checagens, acesse o PolitiFact.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.