Autoridades seguem mais de 1.400 contas que divulgaram teorias da conspiração QAnon no Twitter

4 de setembro de 2020, 14h21


Na análise do Radar desta semana, abordamos o crescimento do movimento QAnon e sua proximidade com as autoridades brasileiras (inscreva-se aqui para receber o relatório completo todas as semanas).

O nome se refere a um grupo de conspiracionistas surgido nos EUA que afirma existir no mundo uma rede de "satanistas pedófilos" que incluiria nomes tão variados como o ator Tom Hanks, o bilionário Bill Gates e, no Brasil, ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Tudo, claro, completamente falso.

Um levantamento do Radar mostra que pelo menos 212 autoridades do Brasil (parlamentares eleitos e membros do primeiro escalão do Executivo federal) seguem mais de 1.400 perfis que divulgam conteúdos QAnon. Parlamentares que apoiam Jair Bolsonaro são os que seguem o maior número dessas contas. Em menor escala, o próprio presidente e seu círculo próximo também está em contato direto com o material — oito perfis diretamente ligados a Bolsonaro e de ministros seguem ao menos 96 contas simpáticas às teorias da conspiração.


Este conteúdo foi enviado nesta sexta-feira (4) por meio da newsletter Radar Aos Fatos e estará disponível gratuitamente nesse formato até o fim de setembro, quando passará a ser premium. Para receber os relatórios reservados como degustação, além de dados estruturados desse monitoramento, cadastre-se aqui.

sobre o

Radar Aos Fatos faz o monitoramento do ecossistema de desinformação brasileiro e, aliado à ciência de dados e à metodologia de checagem do Aos Fatos, traz diagnósticos precisos sobre campanhas coordenadas e conteúdos enganosos nas redes.