É falso que OMS se desculpou por não recomendar hidroxicloroquina e azitromicina contra Covid-19

Compartilhe

Publicações nas redes sociais enganam ao alegar que a OMS (Organização Mundial da Saúde) pediu desculpas por não ter recomendado o uso de hidroxicloroquina e azitromicina em pacientes com Covid-19 (veja aqui). A entidade não se posicionou desta maneira nem lista esses remédios entre os tratamentos que considera válidos contra a doença.

A informação falsa foi veiculada primeiro em um vídeo de 2020 do programa Alerta Amazonas, e agora voltou a circular fora de contexto. O conteúdo enganoso reunia ao menos 31 mil compartilhamentos no Facebook nesta terça-feira (15).


Selo falso

Programa Alerta Amazonas com alegação falsa sobre OMS

Não é verdade que a OMS (Organização Mundial de Saúde) se desculpou publicamente por não ter recomendado hidroxicloroquina e azitromicina no tratamento da Covid-19. Aos Fatos não localizou posicionamentos da entidade com esse teor.

A OMS atualmente não indica hidroxicloroquina ou azitromicina para prevenir ou tratar a doença. As drogas não estão listadas no documento de orientação terapêutica da entidade.

O vídeo compartilhado é um trecho do programa Alerta Amazonas, da TV A Crítica, apresentado por Sikêra Júnior, em 10 de junho de 2020, e disseminado na época pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) no Twitter.

A alegação distorce uma afirmação que havia sido feita cinco dias antes pelo diretor-executivo do Programa de Emergências da OMS, Mike Ryan. Ele pediu desculpas aos jornalistas por eventuais mensagens contraditórias dos cientistas.

Na época, o periódico científico The Lancet havia publicado uma análise que comparava a situação dos que haviam sido tratados com cloroquina ou hidroxicloroquina com os não medicados e concluiu que o uso dos medicamentos não influenciou no estado de saúde dos enfermos. Após a publicação, a comunidade científica observou inconsistências no estudo que geraram questionamentos sobre sua confiabilidade.

Em entrevista concedida no dia 5 de junho de 2020, Mike Ryan foi questionado sobre o que a OMS teria a dizer para as pessoas que se sentiam confusas com o vaivém das descobertas científicas sobre, por exemplo, a eficácia da hidroxicloroquina. Ele respondeu que a comunidade científica pede desculpas e segue dedicada em fazer estudos seguros.

“Isso é fazer a coisa certa. Eu sei que isso às vezes pode dar a impressão de que a comunidade científica está confusa ou dando mensagens contraditórias e por isso nós todos pedimos desculpas coletivamente a todos vocês, mas devemos seguir a ciência, devemos seguir as evidências e estamos absolutamente dedicados a garantir que as pessoas que entram em ensaios clínicos estão entrando em ensaios seguros, que são planejados com seu benefício em mente, e que quaisquer sinais relacionados à falta de eficácia de um medicamento ou segurança de um medicamento serão monitorados cuidadosamente para que os pacientes sejam protegidos no processo.”

Embora a OMS não tenha pedido desculpas por não recomendar a hidroxicloroquina ou a azitromicina, postagens nas redes sociais com essa alegação foram checadas por Aos Fatos em agosto de 2020.

Procurado, Sikêra Júnior não respondeu até a publicação desta checagem.

Referências

  1. Aos Fatos (1 e 2)

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas