O que diz a lei sobre os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres

Compartilhe

Em relatório enviado à ONU (Organização das Nações Unidas) no ano passado, o Brasil mostrou ter retrocedido no cumprimento de uma série de recomendações para a plena garantia dos direitos humanos, entre eles o respeito aos direitos sexuais e reprodutivos. Segundo avaliação do documento feita por 31 entidades, redes e coletivos da sociedade civil brasileira, o país falhou em garantir o acesso das mulheres a serviços de saúde como a assistência pré-natal e a interrupção legal da gravidez.

Diversos casos que repercutiram na imprensa ao longo dos últimos anos demonstram os problemas apontados no relatório: em 2020, por exemplo, uma menina de dez anos que havia sido estuprada teve seu aborto dificultado por membros do próprio governo. No mesmo ano, o Brasil foi incluído em um pacto internacional contrário a quaisquer formas de interrupção de gravidez.

Descritos em protocolos nacionais e internacionais, os direitos sexuais e reprodutivos garantem a liberdade de um indivíduo para exercer a própria sexualidade sem discriminação, o acesso à saúde sexual e reprodutiva e o apoio no planejamento em decisões sobre maternidade. A seguir, Aos Fatos explica o que diz a lei sobre alguns dos assuntos centrais desse tema, como gravidez, contracepção e aborto, e quais os retrocessos vividos no Brasil nos últimos anos:

  1. O que são direitos sexuais e reprodutivos?
  2. O que diz a lei sobre a contracepção e a prevenção de ISTs?
  3. O que diz a lei sobre os direitos das gestantes?
  4. O que diz a lei sobre o aborto?
  5. Quais foram os retrocessos sofridos nos últimos anos?

1. O que são direitos sexuais e reprodutivos?

Os direitos sexuais e reprodutivos garantem o respeito à autonomia de um indivíduo sobre o próprio corpo e a liberdade de viver a própria sexualidade sem discriminação, com acesso à saúde e com a salvaguarda do direito de decidir sobre gravidez e contracepção.

Segundo o Ministério da Saúde, estão entre os direitos sexuais:

  • Viver e expressar livremente a sexualidade e a orientação sexual, sem discriminação e violência;
  • Escolher o próprio parceiro sexual;
  • Consentir ou não sobre a relação sexual;
  • Ter relações sexuais independentemente de intenções reprodutivas;
  • Praticar sexo seguro, para a prevenção de doenças e da gravidez indesejada, com serviços de saúde que garantam atendimento de qualidade, com privacidade e sem discriminação;
  • Ter acesso à educação sexual e reprodutiva.

Já os direitos reprodutivos são:

  • Poder decidir, de forma livre e responsável, por ter ou não ter filhos, e, em caso positivo, quantos filhos conceber e em que momento da vida;
  • Ter acesso a informações, métodos e técnicas para ter ou não ter filhos.

2. O que diz a lei sobre a contracepção e a prevenção de ISTs?

Em seu artigo 226, a Constituição Federal determina que o planejamento familiar é de livre decisão do casal e que cabe ao Estado propiciar recursos para o exercício desse direito. A lei que regulamenta esse artigo, sancionada em 1996, afirma que é obrigação do poder público garantir o acesso à contracepção e ao controle de ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis), além da distribuição de todos os métodos e técnicas de concepção e contracepção cientificamente comprovados.

Os métodos anticoncepcionais começaram a ser integralmente distribuídos pelo Ministério da Saúde aos estados e municípios a partir de 2000. Atualmente, são oferecidos o DIU (dispositivo intrauterino), os preservativos masculino e feminino e os anticoncepcionais injetáveis ou em pílula.

Também é possível realizar procedimentos definitivos, como a laqueadura e a vasectomia. Antes da sanção da lei 14.443, em setembro do ano passado, era necessário que o indivíduo tivesse 25 anos e a aprovação do cônjuge para realizar o procedimento; agora, a idade mínima é de 21 anos e não é necessário o consentimento do parceiro. Não há idade mínima caso o indivíduo tenha no mínimo dois filhos. A norma entrou em vigor na última segunda-feira (6).

Além de distribuir gratuitamente preservativos, que evitam a transmissão de ISTs, o Ministério da Saúde incluiu em 2014 no PNI (Plano Nacional de Imunizações) a vacina contra o HPV. Transmitido sexualmente, o vírus é responsável por quase 70% dos casos de cânceres cérvicouterinos, além de casos de câncer peniano, anal, na cabeça e no pescoço. No Brasil, a vacina é aplicada em crianças e adolescentes de nove a 14 anos.

Leia mais
HQ Cinco fatos sobre direitos das mulheres no Brasil

3. O que diz a lei sobre a garantia de saúde à gestante?

A lei 9.263, de 1996, que regulamenta um dispositivo da Constituição sobre o planejamento familiar, determina que é obrigação do SUS garantir a assistência à concepção e à contracepção, o atendimento pré-natal e o auxílio ao parto, ao puerpério e ao recém-nascido. Já a portaria 569, de 2000, institui a necessidade de realizar ao menos seis consultas pré-natal e uma série de exames e testes para doenças como a Aids e a sífilis, que garantem a saúde da mãe e da criança.

Outras normas publicadas ao longo das últimas três décadas garantiram à gestante o direito de ter conhecimento e acesso prévio à maternidade onde vai ocorrer o parto, o atendimento preferencial em hospitais, órgãos públicos e bancos e a possibilidade de levar um acompanhante ao trabalho de parto e ao pós-parto imediato.

Direitos trabalhistas. A gestante que trabalha com carteira assinada também tem uma série de direitos garantidos pela CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas):

  • Garantia de emprego desde a confirmação da gravidez até cinco meses depois do parto;
  • Licença maternidade de 120 dias, sem prejuízo do emprego e do salário;
  • Possibilidade de romper contrato de trabalho prejudicial à gestação, mediante apresentação de atestado médico;
  • Transferência de função, quando as condições de saúde exigirem, com retomada da função anterior após o retorno da licença;
  • Dispensa do horário de trabalho para realização de, no mínimo, seis consultas e exames complementares;

O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) também determina a obrigatoriedade de empregadores e instituições propiciarem condições adequadas para o aleitamento materno, inclusive para mulheres privadas de liberdade.

Leia mais
Checamos Audiência pública do Ministério da Saúde reforça desinformação sobre aborto no Brasil

4. O que diz a lei sobre o aborto?

Segundo o Código Penal, praticar a interrupção da gravidez é crime no Brasil, com penas previstas em caso de aborto consentido e não consentido. Há, no entanto, algumas exceções previstas em lei:

  • Quando a vida da gestante corre risco;
  • Quando a gravidez é decorrente de estupro e há consentimento da gestante, ou, em caso de incapacidade, de seu representante legal;
  • No caso de fetos anencéfalos (sem cérebro).

O Código Penal não estabelece um prazo gestacional máximo para que a mulher possa realizar um aborto. Nos casos permitidos em lei, o procedimento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar, formada por médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais. Não há necessidade de autorização judicial. Como nem todos os estabelecimentos realizam o procedimento, é obrigação do Estado garantir transporte para que a mulher possa ser encaminhada à instituição de referência mais próxima.

Caso a mulher pratique a interrupção da gravidez em situação que foge das exceções previstas em lei, o Código Penal determina as seguintes penas:

  • Quando a gestante provoca o aborto ou consente que ele seja provocado por terceiros, a pena é de um a três anos de detenção;
  • Quando um terceiro realiza o aborto com consentimento da gestante, a pena é de um a quatro anos de reclusão; quando não há consentimento, são três a dez anos de reclusão.
Leia mais
Radar TikTok e YouTube permitem uso de termos misóginos para classificar mulheres

5. Quais foram os retrocessos sofridos no Brasil nos últimos anos?

Contrário ao aborto, ao planejamento familiar e à equiparação salarial, o ex-presidente Jair Bolsonaro foi responsável por levar a violência contra a mulher a um nível institucional, segundo o relatório “Direitos das Mulheres: Combatendo o Retrocesso”, produzido pelo instituto francês Jean Jaurès em parceria com a ONG Equipop, cujos resultados foram divulgados no início deste ano. No que se refere aos direitos sexuais e reprodutivos, o documento aponta retrocessos principalmente na defesa do aborto legal.

Um exemplo citado pelo relatório é a assinatura, em outubro de 2020, da Declaração de Genebra, contrária a políticas que preveem o acesso ao aborto, mesmo em situações previstas em lei. Por outro lado, o país ficou de fora de uma declaração da ONU sobre direitos sexuais e reprodutivos, que defendia a tomada de medidas que assegurassem a igualdade de direitos para meninas e mulheres.

Outro retrocesso apontado pelo relatório foi a nomeação do médico e ativista antiaborto Raphael Câmara à Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Defensor da abstinência sexual como método de contracepção, Câmara foi responsável pela edição, em 2022, de uma cartilha que afirmava que todo aborto era crime e que casos com “excludente de ilicitude” deveriam ser investigados pela polícia.

Em agosto de 2020, o Ministério da Saúde também publicou uma portaria — posteriormente alterada — que obrigava profissionais de saúde a comunicarem a polícia em casos de aborto legal e a mostrarem uma imagem do ultrassom do feto antes de iniciarem o procedimento. O governo também interferiu em casos de abortamento legal, como o de uma menina de dez anos que havia sido estuprada. Ela teve seu procedimento dificultado pela então ministra Damares Alves (Republicanos-DF), hoje senadora, que tentou protelar a intervenção para obrigá-la a dar à luz.

Leia mais
Radar Discurso contra aborto de criança estuprada teve só 2% do engajamento sobre o assunto no Twitter

Outros exemplos de retrocesso foram a recomendação do Ministério da Saúde, em maio de 2019, da abolição do termo “violência obstétrica” — usado para denunciar abusos cometidos contra gestantes — de documentos e políticas públicas; o estímulo, na caderneta da gestante, à episiotomia, corte feito na vagina durante o parto, que não tem eficácia comprovada; e a substituição da Rede Cegonha, voltada ao atendimento multidisciplinar da gestante, pela Rami (Rede Materna e Infantil), que dá ênfase ao trabalho do obstetra.

Mudanças. Em 17 de janeiro, o Ministério dos Direitos Humanos, em parceria com o Ministério da Mulher, anunciou a saída do Brasil do Consenso de Genebra e sinalizou a inclusão do país em dois compromissos internacionais de garantia dos direitos das mulheres. O governo Lula também revogou a portaria de 2020 do Ministério da Saúde que estimulava profissionais de saúde a comunicarem abortos decorrentes de violência sexual à polícia e sinalizou que deve trazer de volta a Rede Cegonha.

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores