O PMDB antes, o PMDB agora, o PMDB depois

Compartilhe

O programa de governo apresentado no último mês pelo vice-presidente da República, Michel Temer, representa não apenas uma etapa da ruptura entre PT e PMDB, mas também uma guinada definitiva do principal aliado do governo rumo a ideias que, em 2010, evitava defender.

Agora, em vez de defender ampliação de programas sociais, como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida, o partido pondera que o governo "cometeu excessos" ao criá-los e ampliá-los. Diz também que era necessário aumentar os recursos destinados à saúde; agora, quer acabar com os limites constitucionais de gastos para o setor. (Leia mais abaixo.)

O programa "Uma ponte para o futuro" elenca uma série de medidas que flertam com uma política econômica menos estatista que a do programa petista, em torno da qual giraria um eventual governo Temer. "Nesta hora da verdade, em que o que está em jogo é nada menos que o futuro da nação, impõe-se a formação de uma maioria política, mesmo que transitória ou circunstancial, capaz, de num prazo curto, produzir todas estas decisões na sociedade e no Congresso Nacional", diz o documento.

Em 2010, os artífices de "Um programa para o Brasil — Tem muito Brasil pela frente" foram os ex-ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, que já integraram o primeiro escalão do governo Dilma. Ambos orbitam o vice-presidente e, nos bastidores, atribui-se a eles a articulação peemedebista pró-governo Temer.

"O programa de governo não diz respeito somente a esta eleição, mas a de 2012, de 2014, 2016. É uma resposta objetiva de como o PMDB pretende conduzir os seus governos municipais, estaduais e nacional", afirmou Padilha à época. Ali, enumeraram as diretrizes que o PMDB sugeria adicionar ao programa de governo da então candidata Dilma Rousseff.

Naquele mesmo ano, o então pré-candidato Michel Temer afirmava na TV que, "graças à união entre PMDB, governo e vocês, estamos superando todas as dificuldades". No programa nacional do partido, falava da importância de ter um partido unido e mobilizado e citava as mesmas realizações que o discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma costumam propagandear.

Na última segunda-feira (7), quando foi revelada a carta de Temer à presidente, chamou atenção o fato de o vice afirmar que "jamais" ele ou o PMDB foram chamados "para discutir formulações econômicas ou políticas do país". "Éramos meros acessórios, secundários, subsidiários", disse.

A mudança de curso é justificada publicamente por Temer durante toda a carta endereçada à presidente. Momento de dissonância semelhante só houve meses atrás, quando o vice-presidente afirmou que o país precisava de alguém que "reunificasse" a todos.

Na carta, ele afirmou que sua contribuição para a aprovação de matérias relacionadas ao ajuste fiscal não foi reconhecida por Dilma. "Até o programa 'Uma ponte para o futuro', aplaudido pela sociedade, cujas propostas poderiam ser utilizadas para recuperar a economia e resgatar a confiança foi tido como manobra desleal", continuou.

Agora, uma vez delimitadas as diferenças programáticas entre o PMDB governista e o PMDB independente — ou de oposição — , falta ao partido ter defensores de gestão; e não meramente de poder. Nesta semana, Aos Fatosmostrou que o programa peemedebista não tem patrocinadores no Congresso, de forma que a dificuldade em aderir às propostas endossadas por Temer não está apenas entre os petistas. Nele, há projeto relatado por Delcídio do Amaral (PT-MS), senador preso na Lava Jato, além de matérias paradas na Câmara e no Senado.

A avaliação na cúpula do partido, segundo Aos Fatos apurou, é que o PMDB tem que realinhar a coalizão governista em torno de "fundamentos programáticos", de modo a mudar sua agenda.

Veja, abaixo, o que diferencia o PMDB de 2015 e o de 2010.

Foto: José Cruz/ABr

Gastos públicos

Em 2010: O PMDB pregava a ampliação dos investimentos para manter o crescimento superior a 5% ao ano. A fórmula, de acordo com o programa, seria limitar os gastos públicos a dois pontos percentuais abaixo do PIB — ou seja, se o PIB for de 5%, o governo poderia gastar até 3%.

Em 2015: Agora, o partido defende taxa média de crescimento econômico de 3,5% a 4% ao ano, ao longo da próxima década. Diz também que "a indexação dos gastos públicos agrava o ajuste em caso de alta inflação". Por isso, em vez de estabelecer limites para os gastos, propõe acabar com as vinculações constitucionais no Orçamento.


Saúde

Em 2010: O PMDB defendia a ampliação da fatia dos recursos públicos direcionados aos gastos com saúde no país. Também afirmava querer um tributo específico para financiar a saúde — criado, no entanto, só depois de uma reforma tributária geral.

Em 2015: Agora, o partido propõe acabar com as vinculações constitucionais, que impedem o Executivo de contingenciar recurso para setores como a saúde e a educação. Não há planos específicos para o setor.


Previdência

Em 2010: O PMDB pregava reformar a Previdência por meio da unificação da aposentadoria dos funcionários públicos e dos trabalhadores do setor privado.

Em 2015: Fala em reformar as aposentadorias ao estabelecer em lei a idade mínima para ter acesso ao benefício. "No Brasil, estranhamente não há idade mínima para a aposentadoria, no regime geral do INSS, apenas no regime próprio dos funcionários públicos", diz, sem entrar em detalhes.


Programas sociais

Em 2010: Pretendia ampliar o programa, com a criação de uma poupança para crianças beneficiárias. Também pregava maior participação da Caixa Econômica Federal para financiar construções de casas próprias do programa Minha Casa, Minha Vida.

Em 2015: Sem entrar em detalhes, o PMDB diz: "Nos últimos anos é possível dizer que o governo federal cometeu excessos, seja criando novos programas, seja ampliando os antigos, ou mesmo admitindo novos servidores ou assumindo investimentos acima da capacidade fiscal do Estado". A sigla pretende criar um comitê para monitorar os programas governamentais.


LEIA TAMBÉM

Aos Fatos | Twitter | Facebook

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas