Não é verdade que CEO da Pfizer não quer ser vacinado contra Covid-19

Por Priscila Pacheco

23 de dezembro de 2021, 15h05

É falso que Albert Bourla, CEO da Pfizer, não quer se vacinar contra Covid-19, como afirmam postagens nas redes sociais (veja aqui) que compartilham um trecho de entrevista de dezembro de 2020 na qual o empresário diz que não furaria a fila de imunização. Bourla tomou duas doses da vacina no início de 2021.

A peça de desinformação somava centenas de compartilhamentos nesta quinta-feira (23) no Facebook. O conteúdo também tem sido disseminado no WhatsApp (Fale com Fátima).


Selo falso

Porque o CEO da Pfizer não quer a picadinha? Nós também somos saudáveis, principalmente os nossos filhos que têm imunidade mais alta ainda. NÃO SOMOS COBAIAS!

Print de vídeo do CEO da PFizer com legenda falsa

Publicações enganosas tiram de contexto um trecho de uma entrevista do CEO da Pfizer, Albert Bourla, à emissora americana CNBC, em dezembro de 2020, para sugerir que ele não quer ser vacinado contra a Covid-19. Na verdade, o empresário explicou na ocasião que aguardava o seu momento de ser imunizado. Bourla foi vacinado no primeiro semestre de 2021 e postou uma foto em sua conta autenticada no Twitter quando recebeu a segunda dose em março.

Na entrevista, transmitida em 14 de dezembro, poucos dias após a FDA (Food and Drug Administration, agência reguladora americana) conceder a autorização emergencial para o uso da vacina da Pfizer/BioNTech nos Estados Unidos, Bourla respondeu à jornalista Meg Tirrel que não furaria a fila de vacinação.

“Assim que puder, eu irei [me vacinar]. A única sensibilidade aqui, Meg, é que eu não quero dar o exemplo de que estou cortando a fila. Tenho 59 anos de idade, tenho boa saúde e não trabalho na linha de frente”, disse na época. O empresário também afirmou que nenhum dos executivos e membros do conselho da Pfizer passaria à frente de outras pessoas, pois seriam respeitados critérios como idade e ocupação para definir o plano de imunização.

A campanha de vacinação contra Covid-19 nos Estados Unidos, país onde vive Bourla, começou no mesmo dia da transmissão da entrevista. A primeira pessoa a ser vacinada foi uma enfermeira, Sandra Lindsay, que trabalhava no centro de emergência contra Covid-19. Naquele momento, profissionais da saúde que cuidavam de pessoas com o novo coronavírus eram prioridade na fila de vacinação.

Não é a primeira vez que surgem desinformações sobre Bourla. Em dezembro do ano passado, foi dito que o CEO não queria tomar a vacina produzida pela própria empresa. Em setembro deste ano, foi veiculado que uma viagem do CEO a Israel havia sido cancelada por ele não ter sido vacinado.

Referências:

1. CNBC (Fontes 1 e 2)
2. Twitter Albert Bourla
3. FDA
4. G1
5. Aos Fatos (Fontes 1 e 2)


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.