🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Não é Adélio Bispo homem em foto com Lula, Dilma, Gleisi e Boulos

Por Luiz Fernando Menezes

6 de outubro de 2020, 14h59

Não é Adélio Bispo quem aparece em uma foto com os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, a deputada Gleisi Hoffmann, e Guilherme Boulos, atual candidato do PSOL a prefeito de São Paulo. A imagem (veja aqui) mostra João Paulo Rodrigues, um dos líderes do MST, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em abril de 2018.

A peça com a falsa alegação circulou inicialmente em 2018, logo após o ataque a faca sofrido por Jair Bolsonaro. Nas últimas semanas, o conteúdo voltou a figurar nas redes, reunindo ao menos 5.000 compartilhamentos em posts recentes. Todos foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação do Facebook (entenda como funciona).


Selo falso

Post desinformativo no Facebook acusa homem entre Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann e Guilherme Boulos de ser Adélio Bispo

Voltou a circular nas redes sociais uma foto que mostra um homem de boné vermelho ao lado dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, da deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-RS), do líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), Guilherme Boulos, e de Luiz Marinho, então candidato ao governo de São Paulo, com uma legenda que o identifica como sendo Adélio Bispo, autor do atentado ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O homem, no entanto, é João Paulo Rodrigues, um dos líderes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra).

A imagem, registrada em abril de 2018, mostra o encontro de Lula com lideranças petistas no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), após ter sua prisão decretada.

Foto de João Paulo Rodrigues com Lula, Dilma Rousseff, Gleisi Hoffmann e Guilherme Boulos. No lado superior direito, imagem de João Paulo Rodrigues. No lado inferior direito, imagem de Adélio Bispo

O próprio Rodrigues desmentiu as publicações em seu Twitter na primeira vez que as peças circularam nas redes: “Resgataram uma foto minha de 2018 com @LulaOficial, @dilmabr e @GuilhermeBoulos pra espalhar fakenews. O gabinete burro e do ódio está funcionando a mil”.

A foto com a falsa alegação circulou nas redes meses após o ataque a faca sofrido por Bolsonaro em Juiz de Fora (MG). Naquela época, a desinformação foi desmentida por Boatos.org, Agência Lupa, e Estadão Verifica.

Referências:

1. G1
2. Twitter (@joaopaulomst)
3. EBC

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.