Lula recebeu homenagem da prefeitura de Roma em 2015, não em 2020

Por Luiz Fernando Menezes

14 de fevereiro de 2020, 17h29


A prefeitura de Roma homenageou o ex-presidente Lula (PT) em 2015, não em 2020, como sugerem publicações nas redes sociais (veja aqui). Naquele ano, ele recebeu a Loba Capitolina, símbolo da cidade. O petista chegou à capital da Itália nesta quarta-feira (12) para uma série de encontros, tendo sido recebido inclusive pelo papa Francisco.

A informação verdadeira fora de contexto vem sendo compartilhadas por sites, páginas e perfis pessoais nas redes sociais, reunindo ao menos 10 mil compartilhamentos até a tarde desta sexta-feira (14). Todos foram marcadas como DISTORCIDO na ferramenta de verificação disponibilizada pela rede social (entenda como funciona).


DISTORCIDO

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi homenageado, nesta manhã de quarta-feira (12), em Roma, pelo prefeito da cidade, Ignazio Marino. Lula recebeu a Loba Capitolina, símbolo da cidade, na sala Júlio Cesar, no centro histórico da capital italiana.

Após o encontro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o Papa Francisco, na quinta-feira (13), sites e publicações nas redes sociais têm compartilhado a informação de que o petista teria sido homenageado pela prefeitura de Roma. Uma honraria foi de fato concedida a ele, mas em 2015, não agora.

Em junho daquele ano, o então prefeito de Roma, Ignazio Marino, concedeu ao petista a Loba Capitolina, símbolo da cidade. A homenagem também aparece na aba “Prêmios e homenagens” do Instituto Lula.

Marino nem é mais o prefeito da cidade, cargo ocupado por Gerarda Pantalone desde maio de 2019.

A assessoria do ex-presidente, em email enviado ao Aos Fatos, confirmou que a homenagem da prefeitura de Roma aconteceu em 2015 e que não houve nenhuma congratulação do tipo nessa última visita.

No atual giro por Roma, onde chegou na quarta-feira (12), Lula se encontrou com o papa Francisco e também com o ministro de Economia e Finanças da Itália, Roberto Gualtieri, o ex-primeiro-ministro Massimo D’Alema e o sociólogo Domenico De Masi, além dos organizadores do Comitê Lula Livre na Itália.

Referências:

1. Lula.com.br
2. Instituto Lula (Fontes 1 e 2)
3. Prefeitura de Roma


Esta checagem foi atualizada às 10h02 do dia 17 de fevereiro de 2020 para acrescentar a nota da assessoria do ex-presidente.