🕐 ESTA REPORTAGEM FOI PUBLICADA EM Abril de 2023. INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE TEXTO PODEM ESTAR DESATUALIZADAS OU TEREM MUDADO.

Lula não estava em Brasília durante os ataques de 8 de janeiro

Por Luiz Fernando Menezes

24 de abril de 2023, 13h53

Não é verdade que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estava no Palácio do Planalto quando bolsonaristas invadiram e vandalizaram as sedes dos Três Poderes em 8 de janeiro deste ano, como afirmam publicações nas redes. Conforme pode ser verificado por meio de imagens e notícias na imprensa, o petista passou o dia em Araraquara (SP) e só chegou à capital na noite daquele domingo. Os registros de câmeras de segurança que mostram o presidente em Brasília foram registradas depois das 21h, horas após os ataques terem sido contidos.

Até esta segunda-feira (24), essas publicações desinformativas acumulavam mais de 12 mil compartilhamentos no Facebook e dezenas de milhares de visualizações no TikTok. Elas também circulam no WhatsApp, plataforma em que não é possível estimar o alcance (fale com a Fátima).


Selo falso

Era por isso que Lula queria sigilo das imagens. E ele fala que nesse dia ele estava em Araraquara.

Vídeo mente ao afirmar que Lula estava em Brasília durante invasão do dia 8 de janeiro

São enganosas as publicações que compartilham imagens das câmeras de segurança do Palácio do Planalto para afirmar que o presidente Lula estava em Brasília durante os ataques golpistas de 8 de janeiro. A gravação usada pelas peças desinformativas, veiculada pelo portal Metrópoles, mostra o presidente e outros integrantes do governo na sede do Executivo por volta das 21h30, horas depois de o ataque ter sido contido pelas forças de segurança. Durante o dia, Lula cumpriu agenda em Araraquara (SP), cidade que havia sido atingida por fortes chuvas.

A visita de Lula à cidade paulista está registrada tanto na agenda oficial da Presidência da República quanto em imagens divulgadas pela imprensa e por políticos locais. O petista, inclusive, fez um pronunciamento para criticar os invasores de Brasília quando ainda estava no município (veja o vídeo abaixo).

Também consta na agenda presidencial que Lula deixou Araraquara às 19h30 daquele domingo e desembarcou na capital às 20h50. As imagens divulgadas pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional) atestam que Lula chegou ao Palácio do Planalto por volta das 21h30 daquele dia (veja abaixo). A gravação usada pelas peças de desinformação mostra o momento em que o presidente inspeciona seu gabinete, que havia sido vandalizado.

Câmeras de segurança gravaram Lula e ministros nos corredores do Palácio do Planalto às 21h26 do dia 8 de janeiro
Horário. Câmeras atestam que Lula chegou no Palácio do Planalto por volta das 21h30 do dia 8 de janeiro (Reprodução/CNN Brasil)

Imagens veiculadas pela imprensa e a cronologia dos ataques esquematizada no relatório de Ricardo Cappelli, ex-interventor na segurança pública do Distrito Federal e atual secretário-executivo do GSI, mostram que os atos de vandalismo começaram por volta das 15h daquele domingo. Os golpistas começaram a ser expulsos pelas forças policiais por volta das 17h30, mas os ataques continuaram em áreas internas e externas do Congresso. Imagens veiculadas pela CNN Brasil mostram que a situação foi controlada por volta das 18h16.

Versões. Desde a invasão, bolsonaristas tentaram emplacar uma série de inverdades para culpar o governo Lula pela destruição causada em Brasília. Aos Fatos já desmentiu diversas publicações que tentavam provar, por exemplo, a teoria conspiratória de que infiltrados foram responsáveis pelo vandalismo.

Para criar um acervo de memória das mídias que circularam pelas plataformas durante o ataque e nos dias que o antecederam, Aos Fatos também lançou o GOLPEFLIX. Os vídeos, áudios e imagens mostram como as redes foram usadas por bolsonaristas para alimentar o golpismo.

Referências:

1. Planalto (1 e 2)
2. acidade ON
3. G1
4. Câmara Municipal de Araraquara
5. EBC
6. Poder360 (1 e 2)
7. SSP-DF
8. CNN Brasil
9. Aos Fatos (1, 2, 3 e 4)

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.