🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Jornalista Octavio Guedes não chamou nordestinos e pobres de estúpidos

Por Priscila Pacheco

19 de agosto de 2020, 19h12

É falso que o jornalista e comentarista Octavio Guedes tenha chamado nordestinos e pobres de estúpidos em programa da GloboNews, conforme dizem publicações nas redes sociais e em sites (veja aqui).

Em comentário sobre o impacto do pagamento do auxílio emergencial na aprovação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mostrada na pesquisa divulgada pelo Datafolha dia 13 de agosto, Guedes disse: “Se eu tivesse que fazer uma manchete sobre isso, sobre o teu comentário, faria ‘é o pobre, estúpido!’. Então, se a gente tinha ali durante muito tempo o slogan criado pelo marqueteiro do [Bill] Clinton, ‘é a economia, estúpido!’, aqui no Brasil, um país com um grande número de vulneráveis, é a ‘pobreza, estúpido!’, ‘é o pobre, estúpido!’. É isso que fez mudar o pêndulo”.

A entonação da fala de Guedes mostra que há pausa da vírgula na frase, algo que faz com que “estúpido” não seja um adjetivo que qualifica alguém. Além disso, a referência a Bill Clinton é real. Nas eleições de 1992, James Carville, responsável pela campanha eleitoral de Clinton, disse “é a economia, estúpido!” (It’s the economy, stupid!) para a equipe dar ênfase à área econômica, ponto fraco do governo de George H.W. Bush. O democrata venceu as eleições à época.

As peças de desinformação já contam com ao menos 3.800 compartilhamentos nesta quarta-feira (19) e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação do Facebook (entenda como funciona).


FALSO

Esse é Octavio Guedes, jornalista e comentarista da Globo News, que humilhou e chamou os nordestinos de “pobres e estúpidos”.

Não é verdade que o jornalista Octavio Guedes tenha chamado nordestinos e pobres de estúpidos durante um programa apresentado pela jornalista Julia Dualibi na GloboNews, conforme afirmam postagens nas redes sociais e em diversos sites.

Na ocasião, Guedes comentava sobre o aumento no índice de aprovação do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que subiu de 32% para 37%, segundo pesquisa divulgada pelo Datafolha no dia 13 de agosto.

Ele disse: “Se eu tivesse que fazer uma manchete sobre isso, sobre o teu comentário, faria ‘é o pobre, estúpido!’. Então, se a gente tinha ali durante muito tempo o slogan criado pelo marqueteiro do [Bill] Clinton, ‘é a economia, estúpido!’, aqui no Brasil, um país com um grande número de vulneráveis, é a ‘pobreza, estúpido!’, ‘é o pobre, estúpido!’. É isso que fez mudar o pêndulo”.

O jornalista também comenta que, apesar de o Congresso ter aumentado o valor do auxílio emergencial de R$ 200 para R$ 600, quem ganhou o reconhecimento foi o presidente Bolsonaro.

A entonação da fala de Guedes mostra que há a existência da vírgula na frase, algo que faz com que o termo “estúpido” não seja um adjetivo que qualifica alguém. Além disso, a frase referente a Bill Clinton é verdadeira.

O foco na economia foi uma das estratégias usadas pela equipe do então candidato à Presidência dos Estados Unidos para derrotar George H.W. Bush que, em 1992, tentava a reeleição em meio a problemas econômicos. À época, James Carville, responsável pela campanha eleitoral de Clinton, disse a frase “é a economia, estúpido!” (It’s the economy, stupid!) para a equipe dar ênfase à área econômica. Clinton venceu a eleição.

Em sua conta autenticada no Twitter, Guedes comentou o caso e disse que parafraseou a frase da Carville para explicar a melhora na avaliação favorável a Bolsonaro, que teve influência dos mais vulneráveis. As peças de desinformação também foram checadas por Boatos.org, Agência Lupa e Fato ou Fake, do G1.

Referências:

1. GloboNews
2. Reuters
3. G1
4. Agência Lupa
5. Boatos.org
6. Twitter Octavio Guedes


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.