Jornal Hoje não noticiou que polícia investiga Bolsonaro por morte de Lázaro; foto é montagem

Por Luiz Fernando Menezes

29 de junho de 2021, 13h58

É falso que o Jornal Hoje, da TV Globo, noticiou que a polícia investiga o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por ordenar a morte de Lázaro Barbosa, como afirmam postagens nas redes (veja aqui). Além de não existir registro dessa investigação, a reprodução de tela mostrada nas publicações foi manipulada digitalmente para inserir na tarja a informação enganosa, que não foi veiculada na edição de segunda-feira (28) do telejornal.

A peça de desinformação acumulava ao menos 2.000 compartilhamentos nesta terça-feira (29) no Facebook e foi marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).


Não é verdade que o Jornal Hoje tenha noticiado que investigações apontaram que partiu do presidente Jair Bolsonaro a ordem para matar Lázaro Barbosa, criminoso procurado em Goiás e morto pela polícia nesta segunda-feira (28). A reprodução de tela exibida nas postagens checadas foi manipulada digitalmente para incluir esta informação falsa.

Na montagem, foi incluída na tarja de uma reportagem exibida nesta segunda a frase “Investigação diz que ordem pra [sic] executar Lázaro veio de Bolsonaro”. No registro original (veja abaixo), o texto sobre a tela diz “Caçada terminou em confronto e morte depois de 20 dias”.

Além disso, outro indício de que a informação é falsa é que, na linguagem jornalística, não se usa a preposição “pra”, geralmente empregada em contextos informais, mas “para”.

Em nenhum momento da edição da última segunda-feira do telejornal é citada a existência de qualquer investigação que relacionaria a morte do criminoso ao presidente. Aos Fatos também não encontrou registros da existência de inquérito que apure esta relação.

Na segunda-feira (28), dia em que o criminoso foi morto, Aos Fatos checou uma montagem que inseria sobre uma imagem do programa Encontro com Fátima Bernardes a frase falsa “Violência policial: houve excesso da polícia na execução de Lázaro?”, sugerindo que a atração tivesse debatido o tema.

Referências:

1. Globoplay (1 e 2)
2. Aos Fatos

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.