Investigados na Lava Jato se dividem em votação sobre prisão de Delcídio

26 de novembro de 2015, 00h28

Foto: Wilson Dias/ABr

Investigados na Lava Jato se dividem em votação sobre prisão de Delcídio

Nem todos os senadores envolvidos na operação votaram pela detenção do colega: 5 foram a favor; 4, contra; 1 se absteve e outros 2 se ausentaram


Nem aliados nem adversários: os investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na Operação Lava Jato se dividiram entre votar pela manutenção da prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-RS) e sua liberação — ou simplesmente não votaram. O comportamento dos senadores expõe a orientação de seus partidos, e não uma ação coordenada pela própria salvação.

São 13 os implicados nas investigações, dos quais 12 deveriam votar, já que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), só votaria em caso de empate. Cinco foram a favor; quatro, contra; um se absteve e outros dois se ausentaram.

Os números expõem também que o governo não tem consenso nem mesmo em uma Casa considerada pacificada, como o Senado: no PMDB, dos 16 senadores da legenda, apenas 1 votou pela revogação da prisão. Dentre os senadores petistas, que são 12, 2 foram pela sua manutenção.

Votaram pela manutenção da prisão:

Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP)

Benedito de Lira (PP-AL)

Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)

Romero Jucá (PMDB-RR)

Valdir Raupp (PMDB-RR)

Votaram pela revogação da prisão:

Fernando Collor (PTB-AL)

Gleisi Hoffmann (PT-PR)

Humberto Costa (PT-PE)

Lindberg Farias (PT-RJ)

Ausentaram-se:

Ciro Nogueira (PP-PI)

Gladison Cameli (PP-AC)

Absteve-se:

Edison Lobão (PMDB-MA)


LEIA TAMBÉM

CONTRIBUA PARA O AOS FATOS

Aos Fatos | Twitter | Facebook

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.