🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Gráfico distorcido sobre resultados eleitorais na Flórida não foi veiculado por TV americana

Por Amanda Ribeiro

6 de novembro de 2020, 14h54

Não é verdade que uma emissora de TV dos EUA tenha distorcido um gráfico de barras para mostrar Joe Biden à frente de Donald Trump na eleição na Flórida apesar de o democrata ter uma proporção de votos menor (veja aqui). Segundo publicações que circulam nas redes, a distorção mostraria o desespero da imprensa americana. No entanto, o gráfico com o erro foi veiculado pela emissora ENCA, da África do Sul, na terça-feira (3). Mesmo com a imagem distorcida no ar, o apresentador do programa South African Morning deu a informação correta de que Trump estava à frente de Biden no estado.

Compartilhada nas redes brasileiras por perfis pessoais no Twitter e no Facebook, a publicação acumulava ao menos 10 mil compartilhamentos na segunda rede social até a tarde desta sexta-feira (6). Todas as postagens foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de monitoramento da plataforma (saiba como funciona).


FALSO

O desespero da imprensa americana é tão grande que o gráfico de 51.3% de Trump é menor que os 47.8% do esquerdopata Biden!!! Ou estou vendo errado?

Publicações que circulam nas redes sociais compartilham um gráfico veiculado por um programa de televisão que mostra barras desproporcionais ao apresentar a apuração de votos da eleição americana na Flórida. Apesar de Donald Trump estar à frente de Joe Biden, a imagem indica o contrário, o que, segundo as postagens, mostraria o desespero da imprensa americana. O gráfico errado, porém, foi transmitido pelo South African Morning, da emissora sul-africana ENCA.

Apesar de não fazer nenhum tipo de comentário sobre o problema na imagem, o apresentador do programa afirma que “em termos desse swing state [termo usado para definir estados em que não há uma preferência partidária definida], parece que Donald Trump vai levar a Flórida e garantir outros 29 votos do colégio eleitoral”.

Na edição, que foi ao ar na última terça-feira (3), um grupo de jornalistas discute os resultados prévios nos estados americanos da Pensilvânia, do Arizona e da Flórida e os comparam com os registrados nas eleições anteriores, em 2016. Naquele dia, em todas as regiões mostradas, Donald Trump aparecia à frente. Nesta sexta-feira (6), com 99% das urnas apuradas, o estado registrava 51,2% dos votos para Donald Trump, contra 47,9% para Joe Biden.

Essa não é a primeira vez que peças de desinformação sobre as eleições americanas fazem menção a uma suposta manipulação da imprensa. Publicação checada por Aos Fatos na última quinta-feira (5) afirmava que a mídia, apoiada por candidatos democratas, havia interrompido a contagem dos votos no país. Ao longo desta semana, também verificamos denúncias falsas de fraudes em estados como Michigan, Wisconsin e Arizona.

Referências:

1. The Guardian
2. Aos Fatos (Fontes 1, 2, 3 e 4)

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.