Governador do Ceará não proibiu o uso de bandeiras do Brasil no estado

Por Priscila Pacheco

27 de maio de 2020, 14h42


Não é verdade que o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), proibiu o uso da bandeira do Brasil no estado, como afirmam publicações nas redes sociais (veja aqui). A alegação foi desmentida pelo governo cearense, e Aos Fatos não identificou qualquer ato recente com esse propósito no estado.

Uma versão da peça de desinformação também compartilha uma foto de um prédio com diversas bandeiras nas sacadas e afirma que seria uma reação da população à medida. A imagem, no entanto, foi registrada em 2016 em Blumenau, em Santa Catarina.

O conteúdo enganoso circula na internet ao menos desde o dia 20 de maio, quando uma mulher foi filmada em Fortaleza retirando uma bandeira do Brasil de seu carro. A ação foi atribuída nas redes sociais a uma ordem da Polícia Militar, mas a corporação informou que a iniciativa teria partido da motorista, que não queria ser confundida com os participantes de uma carreata contra medidas de isolamento social.

As peças de desinformação têm sido difundidas no Facebook, onde acumulavam ao menos 2.600 compartilhamentos até esta quarta-feira (27). Todas as publicações foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação disponibilizada pela rede social (saiba como funciona).


FALSO

Governo SATANÁS proibiu a bandeira do Brasil e o povo cearense deu o troco.

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), não proibiu o uso de bandeiras do Brasil no estado, como afirmam publicações nas redes sociais. Segundo manifestação do governo cearense publicada em sua plataforma Antifake, não existe "determinação, orientação ou medida que impeça ou restrinja o uso da bandeira do Brasil no estado". Em busca na imprensa local e em publicações oficiais do governo, Aos Fatos também não identificou ações nesse sentido efetuadas ou planejadas no Ceará.

A informação falsa circula nas redes sociais desde a semana passada e possivelmente foi criada a partir de um vídeo gravado no dia 20 de maio em Fortaleza no qual uma mulher tira a bandeira do Brasil afixada em seu carro. A ação foi atribuída nas redes sociais a uma ordem da Polícia Militar, que negou. Segundo a corporação, a motorista removeu o símbolo voluntariamente para não ser confundida com participantes de uma carreata contra o isolamento social e não sofrer punições por estar descumprindo a quarentena.

De maneira distorcida, o caso ganhou maior alcance ao ser mencionado pelo jornalista Alexandre Garcia em sua coluna no jornal Gazeta do Povo. "Eu estranhei o fato de a Polícia Militar do Ceará mandar tirar a bandeira nacional da janela lateral de um carro, em Fortaleza”, afirma, em um trecho do texto. Porém, a publicação dele foi atualizada para mencionar um tweet da conta oficial da Secretaria de Segurança Pública do Ceará que afirma que não houve qualquer orientação para que a motorista retirasse a bandeira.

Além da informação enganosa, algumas das postagens checadas trazem uma foto antiga como se fosse atual e representasse a reação da população à suposta proibição. A imagem, que retrata a fachada de um prédio com várias bandeiras do Brasil penduradas em varandas, foi publicada em março de 2016 pelo site NSC Total em uma reportagem sobre manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT), segundo Aos Fatos verificou.

Referências:

1. O Povo
2. Gazeta do Povo
3. Secretaria de Segurança Pública do Ceará
4. NSC Total
5. Governo do Ceará


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.