Preço do litro da gasolina na Argentina mostrado em vídeo equivale a R$ 4,98, não R$ 2,08

Por Priscila Pacheco

15 de março de 2022, 13h41

Um vídeo que circula nas redes sociais (veja aqui) desde 12 de março engana ao calcular errado a conversão de moedas e afirmar que os 107,90 pesos argentinos cobrados pelo litro da gasolina em um posto da Argentina equivalem a R$ 2,08. Pela cotação do real naquela data, o valor corresponde a R$ 4,98. Embora o combustível esteja mais barato no país vizinho do que no Brasil, reportagens recentes indicam que o valor chega em média a R$ 4,50, mais que o dobro do preço apresentado nas imagens.

A postagem enganosa foi divulgada inicialmente no Kwai, onde alcançou 51,5 mil curtidas, e conta com ao menos 3.200 compartilhamentos no Facebook nesta terça-feira (15)


Selo distorcido

(...) Estamos aqui em Buenos Aires, na Argentina. Olha o preço da gasolina aqui. 107,9 pesos. 107,9 pesos argentinos. Convertido em real para nós. Convertido em real a gasolina aqui está valendo R$ 2,08 o litro.

Vídeo mostra valor errado da gasolina em real

Embora a gasolina esteja mais barata na Argentina do que no Brasil, postagens enganam ao afirmar que o preço no país vizinho é menos da metade do que realmente é cobrado. Em um vídeo desinformativo publicado em 12 de março, um casal mostra um posto onde o litro do combustível custa 107,90 pesos e afirma que isso equivale a R$ 2,08, sendo que, pela cotação daquela data, esse valor é de R$ 4,98.

O cálculo foi feito com a cotação do peso argentino do dia 11 de março, última data divulgada pelo Banco Central antes da circulação do vídeo. Reportagens recentes indicam que o valor médio nos postos argentinos chega a R$ 4,50.

Na mesma data da peça desinformativa, a RPC, afiliada da TV Globo no Paraná, noticiou que moradores de Foz do Iguaçu viajavam para o outro lado da fronteira para abastecer na Argentina e pagavam, em média, R$ 4,50 o litro da gasolina. Em novembro de 2021, quando o país vizinho limitou a venda de combustíveis para brasileiros, o valor em real já era superior ao citado nas postagens: brasileiros pagavam, no mínimo, R$ 3,15.

Aos Fatos verificou que o posto de gasolina que aparece no vídeo tem o nome da Shell. Segundo a assessoria de imprensa da Raízen, empresa que tem licença para usar a marca da petrolífera, os valores citados no vídeo correspondem a um posto de Escobar, cidade localizada na região metropolitana de Buenos Aires.

Em 2 de fevereiro, o valor referência para a venda da gasolina super, mesmo tipo indicado no vídeo enganoso, passou a ser de 99,90 pesos argentinos (R$ 4,61, na cotação de 11 de março) nos postos Shell. Nesta segunda-feira (14), um novo reajuste elevou o valor referência da marca para 111,90 pesos argentinos (R$ 5,18).

A desinformação começou a circular após a Petrobras anunciar um reajuste de 18,8% no preço da gasolina no Brasil, que entrou em vigor na última sexta-feira (11). A média nacional do litro do combustível alcançou R$ 7 na primeira quinzena de março.

Aos Fatos não conseguiu entrar em contato com o casal que aparece no vídeo, pois seu perfil no Kwai não aceita mensagens.

Referências:

1. Banco Central
2. G1
3. UOL (Fontes 1 e 2)
4. Folha de S. Paulo
5. Shell
6. La Nación
7. El Clarín
8. Quatro Rodas


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos da Meta. Veja aqui como funciona a parceria.

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.