Fraude de cartões de vacina no SUS segue à venda no Telegram mesmo após ação da AGU

Compartilhe

Criminosos seguiram vendendo cartões de vacinação fraudados diretamente no sistema do SUS (Sistema Único de Saúde) mesmo após autoridades terem se comprometido a tomar providências, há três meses. Embora a AGU (Advocacia-Geral da União) tenha ingressado com uma ação na Justiça pedindo a suspensão dos perfis no Telegram, as contas foram deletadas somente nesta quinta-feira (11), após Aos Fatos reportá-las à plataforma mais uma vez.

O caso foi revelado pelo Aos Fatos em reportagem publicada em setembro do ano passado. A fraude é divulgada em grupos antivacina por usuários anônimos. Mediante pagamento, eles alteram os dados de pacientes no SUS, conforme a apuração comprovou à época e como indicam prints divulgados pelos próprios criminosos.

Na ação, a AGU solicitou a suspensão de perfis e grupos no Telegram que estivessem promovendo ou vendendo os certificados fraudados sob pena de suspensão da plataforma. O Aos Fatos verificou, no entanto, que alguns dos usuários citados na ação seguiam ativos e publicando mensagens em que ofereciam a fraude:

  • Cinco usuários e ao menos três grupos citados pela AGU seguiam ativos com os mesmos nomes presentes na ação judicial até a manhã desta quinta-feira (11), enquanto um sexto usuário recriou o perfil com um nome similar;
  • Já alguns usuários que tiveram os nomes mencionados na ação decidiram ocultar seus perfis, o que impossibilita que sejam encontrados pela barra de pesquisa;
  • Aos Fatos também verificou que outros usuários e grupos usados pelos fraudadores que não foram citados pela AGU seguiam ativos. Nesses grupos, onde o esquema criminoso era disseminado junto de peças de desinformação sobre vacinas, havia cerca de 8.000 membros.
Leia mais
BIPE AGU aciona Telegram na Justiça após Aos Fatos revelar esquema de fraude a cartões de vacina
Investigamos Criminosos fraudam cartões de vacinação no sistema do SUS e vendem esquema no Telegram

Um dos grupos em atividade encontrados pelo Aos Fatos foi criado em 3 de outubro do ano passado, dois dias antes de a AGU ingressar com a ação contra o Telegram. Desde então foram postadas cerca de 90 capturas de tela que supostamente comprovariam a negociação com clientes, o que inclui o processo de pagamento e registros de consumação da fraude. Algumas das capturas mostram inclusive os lotes das vacinas utilizadas. A imagem mais recente foi publicada na última segunda-feira (8).

Capturas de tela mostram a negociação entre o fraudador e supostos clientes
Ilegalidade. Negociações bem sucedidas com supostos clientes são divulgadas pelos fraudadores para incentivar que usuários paguem pelo serviço ilegal (Reprodução)

O esquema anunciado nos grupos é idêntico ao revelado pelo Aos Fatos na reportagem publicada em setembro: de posse do número do CPF, do nome completo e do número do cartão do SUS do cliente, os criminosos inserem doses falsas de vacina direto no sistema do Ministério da Saúde. O pagamento só é feito após a comprovação de que a dose aparece no ConecteSUS.

Ao longo dos últimos meses, no entanto, houve uma guinada na área de atuação dos fraudadores, que agora miram principalmente pais de crianças e adolescentes. Em mensagem publicada há cerca de uma semana, por exemplo, os criminosos divulgaram a notícia de que o Ministério da Saúde havia incluído a vacina contra Covid-19 no calendário infantil acompanhada de uma mensagem que incentivava a fraude nos registros de crianças e adolescentes. “Não deixem que contaminem nossos pequenos”, dizia o post.

Em outro grupo, a mensagem mais recente, publicada na última terça-feira (9), oferecia a regularização da situação vacinal com data retroativa e espaçamento entre as doses.


Mensagens. Post mais recente em grupo monitorado pelo Aos Fatos (à esq.) oferecia regularização da situação vacinal; foco atual dos criminosos é vacinação de crianças e adolescentes (à dir.) (Reprodução)

OUTRO LADO

Questionado sobre a continuidade do esquema criminoso de venda de doses de vacina fraudadas mesmo após a ação judicial da AGU, o Telegram deletou perfis reportados pelo Aos Fatos e afirmou na tarde desta quinta-feira que desde a criação da plataforma “remove conteúdo prejudicial, incluindo fraudes e venda de produtos fraudulentos – incluindo certificados fraudulentos de Covid-19”. Aos Fatos verificou, no entanto, que dois grupos citados pela AGU constam como privados, embora figurem como inacessíveis. Já o terceiro aparece como deletado. Um dos usuários segue ativo.

Após a publicação da primeira reportagem, que relatava um caso que envolvia uma clínica da rede municipal do Rio de Janeiro, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro registrou um boletim de ocorrência pelo sistema online da Polícia Civil, que foi direcionado para a 21ª Delegacia de Polícia. Procurada por Aos Fatos para saber se houve abertura de investigações sobre o caso, a Polícia Civil não respondeu.

O Ministério da Saúde também não retornou o contato.

Já o MPF-RJ (Ministério Público Federal do Rio de Janeiro) respondeu à solicitação do Aos Fatos, mas afirmou que “há procedimento que menciona o aplicativo Telegram e passaportes vacinais” atualmente sob sigilo, e que portanto não poderia comentar.

Quanto à ação promovida pela AGU, o órgão informou inicialmente por telefone que ainda aguardava a análise do caso. A expectativa é que o julgamento ocorra após o recesso do Judiciário. Em nota posterior, a AGU disse que esperava que pedido de remoção dos canais do Telegram fosse apreciado pelo Poder Judiciário com a maior celeridade possível.


Aos Fatos licencia suas checagens para que plataformas digitais desenvolvam políticas de combate à desinformação. O Telegram é uma delas. Entenda.

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores