‘Somos mais populares que Jesus’ é uma frase de John Lennon; não de Manuela D’Ávila

Compartilhe

Trechos de uma célebre e polêmica declaração do beatle John Lennon (1940-1980) proferida em 1966 têm sido atribuídos falsamente a Manuela D’Ávila (PC do B), candidata a vice-presidente na chapa de Fernando Haddad (PT). Uma imagem que vem sendo compartilhada no WhatsApp e em outras redes sociais engana ao dizer que é da candidata o comentário: “o cristianismo vai desaparecer. Vai diminuir e encolher. (...) Nós, somos mais populares que Jesus neste momento”.

Com algumas modificações, mas o mesmo sentido, a declaração foi extraída de um comentário maior feito pelo integrante dos Beatles ao jornal inglês London Evening Standard em 4 de março de 1966. Na publicação original, o músico disse: “o cristianismo irá embora. Vai desaparecer e encolher. Eu não preciso discutir sobre isso; eu estou certo e ficará provado que estou certo. Somos mais populares que Jesus agora. Eu não sei quem vai acabar primeiro, rock'n'roll ou cristianismo. Jesus era legal, mas seus discípulos são grossos e medíocres. São eles distorcendo isso o que estraga, pra mim”.

No Twitter, Manuela D’Ávila negou nesta quinta-feira (4) a autoria da frase. Ela disse que é cristã e defende “o mais absoluto respeito com todas as religiões”.

A imagem com a frase falsa foi enviada por leitores do Aos Fatos no WhatsApp como uma sugestão de checagem (saiba mais). Para participar, adicione o número (21) 99747-2441 na sua lista de contatos e envie uma mensagem com o seu nome.

Confira abaixo, em detalhes, o que checamos.


FALSO

O Cristianismo vai desaparecer. Vai diminuir e encolher. (...) Nós, somos mais populares que Jesus neste momento — Manuela D’Ávila

As frases falsamente atribuídas a Manuela D’Ávila nos remetem a 4 de março de 1966, quando foi publicado um perfil do músico e líder dos Beatles John Lennon no jornal inglês London Evening Standard.

A reportagem, que tinha o objetivo de mostrar como era o cotidiano do integrante de uma das bandas de rock mais famosas do mundo, trazia a seguinte declaração de Lennon: “o cristianismo irá embora. Vai desaparecer e encolher. Eu não preciso discutir sobre isso; eu estou certo e ficará provado que estou certo. Somos mais populares que Jesus agora. Eu não sei quem vai acabar primeiro, rock'n'roll ou cristianismo. Jesus era legal, mas seus discípulos são grossos e medíocres. São eles distorcendo isso o que estraga, pra mim”.

O comentário foi feito em meio a vários outros, e nem mesmo recebeu destaque no título da reportagem, que era “Como vive um Beatle? John Lennon vive assim”. Também não aparece entre as frases destacadas na edição. A imprensa inglesa também não deu atenção à declaração.

A situação mudou meses depois, quando a revista americana Datebook reproduziu a reportagem e usou na capa o trecho “Eu não sei quem vai acabar primeiro, rock'n'roll ou cristianismo”. Repercutida por outros veículos de comunicação dos EUA, a declaração de John Lennon gerou forte reação de grupos cristãos, com protestos em que materiais dos Beatles foram queimados e até ameaças de morte feitas, como relata reportagem da revista Rolling Stone sobre o episódio. Ao ser repetida por décadas, a declaração original sofreu alterações até ganhar o sentido que foi usado contra Manuela D’Ávila.

Na última quinta-feira (4), a candidata a vice-presidente negou, em um tweet, a autoria da frase na imagem que viralizou nas redes sociais: “É assim, mentindo descaradamente que eles querem ganhar as eleições. Não vão conseguir. Sou cristã, defendo e pratico o mais absoluto respeito com todas as religiões. Mais uma mentira propagada por quem não tem ideias dignas para apresentar. Nossa ‘arma’ é a verdade. Ajude a compartilhar”.

Em 2008, o jornal L'Osservatore Romano, órgão oficial do Vaticano, anunciou que a Igreja Católica havia perdoado John Lennon — já falecido — pela declaração feita em 1966.

Compartilhe

Leia também

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans