🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

Foto de protesto por impeachment de Dilma circula como se fosse de ato pró-Bolsonaro

Por Marco Faustino

15 de março de 2021, 15h02

Uma foto da Esplanada dos Ministérios repleta de pessoas de verde e amarelo tem sido compartilhada nas redes sociais como se fosse de manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro ocorrida no último domingo (14) em Brasília (veja aqui). Na verdade, a imagem foi registrada por Wilson Dias, da Agência Brasil, em um protesto em 2016 pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT).

A peça de desinformação tem ao menos 7.390 compartilhamentos no Facebook nesta segunda-feira (15). Todas as publicações foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da plataforma (veja como funciona).


Essa é uma das imagens de hoje que a imprensa não viu

Não é atual nem mostra a manifestação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro ocorrida no domingo (14) uma foto que circula nas redes da Esplanada dos Ministérios tomada por pessoas de verde e amarelo. O registro foi feito em 13 de março de 2016 pelo fotógrafo Wilson Dias, da Agência Brasil, e mostra uma manifestação contra a corrupção e a favor do impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

Segundo a Polícia Militar, à época, 100 mil pessoas participaram da manifestação. O percurso começou no Museu da República e foi até o Congresso Nacional, percorrendo um total de dois quilômetros.

Carreata. No último domingo (14), apoiadores de Bolsonaro fizeram uma carreata na Esplanada dos Ministérios. Além de críticas ao STF e às medidas de restrição, o protesto também foi a favor do voto impresso. Diferentemente do que sugerem as peças de desinformação nas redes, a imprensa noticiou o ato, como pode ser visto em reportagens do G1, CNN Brasil e Valor Investe.

Desde 28 de fevereiro, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), impôs uma série de medidas restritivas na capital federal, como o fechamento de atividades não essenciais e toque de recolher no período das 22h às 5h, na tentativa de reduzir o número de novos casos e óbitos pela Covid-19. Na semana passada, as medidas foram prorrogadas até o dia 22 de março.

Referências:

1. Agência Brasil (Fontes 1 e 2)
2. G1
3. CNN Brasil
4. Valor
5. Metrópoles

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.