Foto de cigarro preso a palito de fósforo foi tirada em 2016 em Portugal, não na Amazônia

Por Amanda Ribeiro

18 de setembro de 2020, 18h26


Não foi registrada no Brasil nem é recente a foto de um palito de fósforo amarrado a um cigarro, supostamente usado por criminosos para atear fogo na Amazônia, de acordo com peças de desinformação que circulam nas redes (veja aqui). Por meio de busca reversa, o Aos Fatos verificou que o objeto fotografado aparece em reportagem publicada pelo portal português A Notícia em agosto de 2016 sobre os incêndios que ocorriam no município de Gondomar, em Portugal.

A imagem, que começou a ser compartilhada no Brasil com a falsa atribuição em setembro de 2019, voltou a ser postada nesta semana como se exibisse a causa dos incêndios que atingem atualmente o bioma. Publicada por perfis pessoais no Facebook, a peça de desinformação já acumulava cerca de 29 mil compartilhamentos até a tarde desta sexta-feira (18). Todas as publicações foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de monitoramento da plataforma (saiba como funciona).


FALSO

Foi registrada no município de Gondomar, em Portugal, a foto de um cigarro preso a um palito de fósforo que tem sido apontada nas redes brasileiras como uma prova de atos terroristas na Amazônia. A imagem na verdade ilustra uma reportagem publicada pelo portal A Notícia no dia 13 de agosto de 2016, que discorre sobre os artifícios usados por criminosos para incendiar florestas próximas à cidade portuguesa.

Também constam na galeria imagens de uma garrafa plástica preenchida com gasolina e um graveto, “que são deixadas a arder mais lentamente para o incendiário ter algum tempo para se afastar da zona”, de acordo com o texto.

A imagem da garrafa de gasolina também pode ser encontrada em postagem publicada nas redes sociais em agosto de 2016 pelo presidente da Câmara Municipal de Gondomar, Marco Martins. Na publicação, o político alerta a população sobre “engenhos que foram encontrados esta tarde em Gondomar junto a locais onde deflagraram incêndios” e pede que, caso encontrados outros objetos similares, que sejam encaminhados às autoridades policiais da região.

Com o uso da ferramenta de busca reversa, o Aos Fatos não conseguiu encontrar nenhum outro registro da imagem usada pela peça de desinformação.

Histórico. A postagem com a falsa alegação começou a circular em setembro do ano passado, mês em que a Amazônia registrou 19.487 focos de incêndio, de acordo com levantamento do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Segundo a legenda enganosa, o objeto fotografado havia sido descoberto por índios e soldados do Exército e era uma prova de que ocorriam atos terroristas na floresta.

Na última semana, depois de o número recorde de incêndios na Amazônia voltar a repercutir na mídia, a foto voltou a ser compartilhada nas redes sociais.

Referências:

1. A Notícia
2. G1
3. Folha de S.Paulo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.