Fatos sobre o acordo entre Mercosul e União Europeia

Compartilhe

O governo brasileiro anunciou, há uma semana, a conclusão das negociações do Acordo de Associação entre o Mercosul e a UE (União Europeia), que vinha sendo discutido há duas décadas. Ele prevê parcerias entre os países dos dois blocos sustentadas em três pilares: livre-comércio, diálogo político e cooperação.

Apesar de o acordo ter sido comemorado por autoridades do Mercosul e da UE e pelo mercado, pouco se sabe sobre o impacto que terá, já que ainda não são conhecidas todas as informações referentes a ele. O governo brasileiro, por exemplo, publicou até agora apenas um relatório e um resumo, que apresentam os principais pontos acordados.

Aos Fatos reuniu, em uma HQ, o que se sabe sobre o acordo:


Livre-comércio. O acordo propõe a diminuição (e, em alguns casos, a eliminação) gradual das taxas de exportação entre o Mercosul e a União Europeia. Os produtos industriais brasileiros, como peças e remédios, por exemplo, terão 100% de suas tarifas de exportação eliminadas em um período de 10 anos.

Para se ter uma ideia, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) indicou, em estudo, que, dentre os 1.101 produtos que o Brasil tem condições de exportar para a União Europeia, 68% enfrentam hoje tarifas de importação ou cotas.

Carros são uma exceção: atualmente, no Brasil, há uma alíquota de 35% nas importações de veículos vindos da União Europeia. O tratado prevê redução à metade da taxa para uma cota anual de 50 mil carros durante sete anos. Depois, o imposto deve cair gradualmente até ser eliminado.

A UE também deve liberalizar 82% das importações agrícolas do Mercosul e, no restante, reduzir tarifas por meio de cotas, como é o caso das carnes, do açúcar e do etanol.

Licitações. O acordo ainda prevê a incorporação de padrões internacionais de abertura e transparência e uma maior concorrência em licitações públicas. Também serão determinadas no acordo as condutas a serem adotadas nessas disputas: há, por exemplo, a previsão de que as autoridades devem conduzir licitações "de maneira a evitar conflitos de interesse e práticas de corrupção".

O acordo também permite que fornecedores brasileiros participem de licitações públicas nos países membros da UE.

Contrapartidas. Para a realização do acordo, os blocos reiteraram o compromisso na proteção do meio ambiente e das condições de trabalho nos países-membros. Foi acordado, por exemplo, que Mercosul e UE irão observar o Acordo de Paris e proteger a biodiversidade e o manejo sustentável.

Em relação às leis trabalhistas, também ficou acertado o respeito aos princípios fundamentais da OIT (Organização Internacional do Trabalho), como a proibição de trabalho forçado ou infantil e a não discriminação no ambiente de trabalho.

As divergências entre as partes quanto à correta aplicação ou observação desses temas poderão ser submetidas a um painel de peritos, que fará recomendações.

Impactos previstos. Segundo estimativas do Ministério da Economia, o acordo entre Mercosul e UE poderá trazer um incremento de US$ 87,5 bilhões a US$ 125 bilhões ao PIB brasileiro em 15 anos.

A pasta também prevê o aumento de investimentos no Brasil, no mesmo período, em US$ 113 bilhões.

Na última segunda-feira (1º), o secretário do Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, apresentou previsões parecidas, dizendo que o acordo poderá trazer ganhos de R$ 500 bilhões em dez anos para o PIB e gerar investimentos adicionais de R$ 453 bilhões no Brasil.

Próximos passos. O acordo passará ainda por uma revisão técnica e jurídica, será traduzido para as 24 línguas dos países-membros dos blocos, incluindo o português, para, depois, ser oficialmente assinado. Ele deve ser aprovado no Conselho da UE, no Parlamento Europeu e nos Legislativos de cada um dos países-membros do Mercosul.

Isso não significa, no entanto, que o texto não vá sofrer oposição. Segundo o G1, por exemplo, o ministro da Agricultura francês, Didier Guillaume, já afirmou ao Parlamento do país que não pretende assinar o texto a qualquer custo. Já na Irlanda, os agricultores e partidos de oposição, preocupados com o impacto sobre a indústria de carne bovina no país, estão pressionando o governo local.

Referências:

1. Itamaraty (Fontes 2 e 3)
2. CNI
3. UE (Fontes 1 e 2)
4. Veja
5. Ministério do Meio Ambiente
6. Conjur
7. EBC
8. Mercosul
9. Chequeado
10. G1 (Fontes 1 e 2)

Compartilhe

Leia também

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Pré-candidato, Marçal oferece prêmio a seguidores e especialistas veem infração eleitoral

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’

Atentado contra Trump aponta riscos de uma moderação enfraquecida nas ‘big techs’