É falso que a Prefeitura de Canoas reembalou doações para colocar logotipo do governo federal

Por Marco Faustino

13 de maio de 2024, 18h25

Não é verdade que a Prefeitura de Canoas esteja reembalando doações para acrescentar nelas o logotipo do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. As peças de desinformação que fazem essa alegação compartilham, como “prova” da adulteração, uma imagem de uma cesta de alimentos que de fato foi distribuída pelo governo federal.

As publicações enganosas acumulavam centenas de compartilhamentos no Facebook nesta segunda-feira (13) e circulam também no WhatsApp, plataforma na qual não é possível estimar o alcance dos conteúdos (fale com a Fátima).

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Selo falso

Canoas reembalando os donativos com a chancela do governo federal. Esse prefeito petista precisa ser estudado

Posts difundem imagem que mostra cesta doada pelo governo federal, não adulterada pelo poder municipal; boato foi desmentido pelo MDS e pela Prefeitura de Canoas

Posts nas redes compartilham a imagem de uma cesta de alimentos e mentem ao alegar que o logotipo do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome foi colocado sobre os alimentos pela Prefeitura de Canoas para fazer crer que se trata de uma doação federal. A cesta retratada na imagem é de fato distribuída pelo governo federal, não pelo município gaúcho. O ministério e a Prefeitura de Canoas desmentiram o boato ao Aos Fatos.

Em nota, o ministério informou que não há orientação para reembalagem de cestas de alimentos com o nome do ministério e a logomarca do governo federal. Por telefone, a Prefeitura de Canoas também negou que tenha reembalado alimentos para simular doações do governo federal.

A administração municipal informou que as doações feitas ao município chegam à Central de Coleta de Doações, na Cassol Centerlar. De lá, são levadas para os abrigos, conforme a demanda, ou para a Central de Entrega de Doações, na avenida Inconfidência, 31, onde a população atingida pelas enchentes, mas que não está em abrigos, pode fazer a retirada dos donativos. Não é necessário fazer cadastro prévio, e a quantidade de itens entregues se dá conforme a necessidade das famílias.

A Prefeitura de Canoas afirmou ainda que os alimentos não recebem qualquer identificação de que se trata de doação municipal. Alguns donativos que chegam em sacolas mais frágeis são colocados em sacos mais resistentes, todos genéricos, como mostra uma foto publicada sábado no site da prefeitura.

As peças checadas também enganam ao alegar que o prefeito de Canoas, Jairo Jorge, esteja atualmente filiado ao PT. Embora Jairo Jorge já tenha sido filiado por 32 anos (entre 1984 e 2016) ao PT, desde 2019 o político é filiado ao PSD.

Leia mais
Checamos Veja tudo o que já desmentimos sobre as enchentes no Rio Grande do Sul
Explicamos Como ajudar o Rio Grande do Sul sem correr o risco de cair em golpes

De acordo com o cronograma do governo federal de entrega das cestas de alimentos para o município gaúcho de Canoas, iniciado na última terça-feira (7), até o momento foram:

  • 9.107 cestas de alimentos entregues na UA (Unidade Armazenadora) da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que correspondem a 195 toneladas de alimentos;
  • 1.088 cestas de alimentos transportadas em parceria com os Correios (em trânsito para a UA da Conab em Canoas), que correspondem a 23,4 toneladas de alimentos;
  • 896 cestas de alimentos transportadas pela FAB (Força Aérea Brasileira), desembarcadas na Base Aérea de Canoas, e que correspondem a 19,2 toneladas de alimentos;

Conforme contrato firmado entre o ministério e a Conab, responsável pela distribuição das cestas, deverão ser entregues, diariamente, 4.500 pacotes, até que se completem as primeiras 52 mil previstas. As cestas de alimentos já chegam a Canoas lacradas e com etiqueta da pasta, como visto em um vídeo publicado pelo presidente da Conab, João Edegar Pretto, no sábado (11), em que é apresentada a unidade armazenadora da companhia no município gaúcho.


Segundo o governo federal, as cestas têm 21,5 kg de alimentos, sendo arroz (10 kg), feijão carioca (3 kg), leite em pó integral instantâneo (2 kg), óleo de soja (900 ml), farinha de trigo (1 kg) ou farinha de mandioca (1 kg), macarrão espaguete comum (1 kg), fubá de milho (1 kg), açúcar cristal (1 kg), sardinha em óleo comestível (500 g) e sal refinado e iodado (1 kg).

Referências:
1. Notícias da Aldeia
2. Prefeitura de Canoas
3. Instagram (@edegarprettooficial)

Topo

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.