Lula não defendeu a mentira como método para enganar pobres

Compartilhe

Não é verdade que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o uso da mentira como método para enganar eleitores pobres. Publicações nas redes compartilham uma montagem com trechos de entrevistas antigas feitas pelo petista tiradas de seus contextos originais.

Publicações com o conteúdo enganoso acumulam mais de 200 mil visualizações no TikTok e centenas de compartilhamentos no Facebook até a tarde desta terça-feira (25).

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

lula falando vdd Lula explica como enganar os eleitores dele. Tipo uma picanha oferecida !!! parabens a todos eleitores desse sujeito. É sempre mais fácil acreditar em uma mentira

Posts difundem uma montagem que junta várias falas de Lula tiradas de contexto para fazer crer que o petista defendeu a mentira como método para enganar pobres.

Publicações nas redes usam uma montagem que reúne trechos fora de contexto de entrevistas de Lula para fazer crer que ele disse que pobres são descartáveis e que a mentira como maneira de enganar a população de baixa renda é justificável. Dos três vídeos utilizados na montagem, dois já foram checados por Aos Fatos.

O primeiro trecho mostra Lula dizendo que pobres são “como papel higiênico” — úteis somente nas eleições e, depois, descartáveis. Na fala original, feita em outubro de 2021 durante um evento do Dia Mundial da Alimentação, o petista criticava governantes que priorizavam ricos em suas políticas. Confira a transcrição abaixo:

“Eu estava vendo no Orçamento. Você, que é especialista no Orçamento, me parece que nesse Orçamento agora tem R$ 245 bilhões de subsídios para os ricos. E quanto tem para os pobres? Não, o pobre não pode ter porque o pobre é gasto. Você não pode ter o Fies porque você não pode fazer dívida pra garantir que uma filha de um trabalhador possa estudar na universidade. Isto é gasto. Meu, isso é investimento. (…) Nenhum país do mundo se esquece dos orçamentos do Itamaraty, do orçamento do Ministério Público, do orçamento da Polícia Federal, do orçamento da… Mas se esquece de colocar o pobre no orçamento. Porque o pobre não é levado em conta. O pobre é o número. Às vezes, um número bonito para se utilizar em campanha. Eu há vinte anos atrás dizia: ‘Pobre é utilizado como se fosse papel higiênico. Tem uma baita de uma utilidade na época da eleição, mas depois joga ele fora e esquece’. Eu estou falando isso, coisa que eu já falei há trinta anos atrás. Eu sou um velho. Eu estou falando do passado, porra.”

Em seguida, a montagem utiliza trechos fora de contexto da entrevista de Lula, então candidato à Presidência, ao Flow Podcast em outubro de 2022. Neles, o petista diz que “é preciso mentir para ser político”, mas na verdade ele se referia ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), como pode ser constatado na fala completa:

“Eu estava vendo um vídeo do Bozo [sic] esses dias, ele, naquele vídeo em que ele está falando das meninas venezuelanas, ele fala textualmente: ‘Tenho que mentir. É preciso mentir. O político tem que mentir’. Porque é sempre mais fácil acreditar numa mentira. Uma mentira, minha mãe dizia, uma mentira ela, ela voa. A verdade engatinha. É sempre assim. Mas eu acho que você tem muitos políticos no Brasil que não mentem e que são pessoas sérias. Sabe?”

Por fim, a montagem também inclui falas do presidente durante uma entrevista coletiva dada a blogueiros em abril de 2014. Na fala original, Lula condenava pessoas que viajavam o mundo para criticar a Petrobras e relembrava que, no período antes de assumir a Presidência, ele também exagerava números sobre o país em eventos internacionais.

No entanto, o vídeo omite que o tom da fala do petista foi de crítica ao seu próprio comportamento, como é possível perceber na transcrição:

“Como eu fui oposição há muito tempo, eu cansei de viajar o mundo falando mal do Brasil, gente. Era bonito a gente viajar ao mundo e falar que no Brasil tem 30 milhões de crianças de rua, no Brasil tem 30 milhões… A gente nem sabia, tem não sei quantos milhões de abortos, era tudo clandestino, mas a gente ia citando números, sabe? Se o cara perguntasse a fonte, a gente não tinha, mas a gente ia citando números. (…) Quando eu terminei de falar, o [ex-governador do Paraná] Jaime Lerner falou assim para mim: ‘Ô, Lula, não pode ter 25 milhões de crianças de rua, Lula, porque senão a gente não conseguiria andar nas ruas, Lula, é muita gente’. Então, tem gente que gosta de falar assim. Eu, então, hoje, quando eu cito um número, eu quero saber da fonte, me dê a fonte, para mim não errar.”

Esta não é a primeira vez que falas do presidente são tiradas de contexto para fazer crer que ele despreza a população de baixa renda. Aos Fatos já desmentiu diversas publicações similares, como alegações de que Lula teria dito que o papel do pobre é comer carne de terceira e sofrer, que eles devem comer menos para estimular a economia, ou que a população de baixa renda é formada por “imbecis” e “ignorantes”.

Referências

  1. YouTube (1, 2 e 3)
  2. Aos Fatos (1, 2, 3 e 4)

Compartilhe

Leia também

Como a ‘Abin paralela’ alimentou desinformadores com mentiras e dossiês

Como a ‘Abin paralela’ alimentou desinformadores com mentiras e dossiês

Federal Police investigation uncovers illegal operation targeting Aos Fatos

Federal Police investigation uncovers illegal operation targeting Aos Fatos

falsoDiscurso sobre ‘califado conquistar Paris’ é de 2020 e não tem relação com eleições francesas

Discurso sobre ‘califado conquistar Paris’ é de 2020 e não tem relação com eleições francesas