Exército não invadiu PF e liberou tenente-coronel Mauro Cid da prisão

Compartilhe

Não é verdade que o Exército invadiu a sede da PF (Polícia Federal) em Brasília (DF) e liberou da prisão o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), como afirmam publicações nas redes. As Forças Armadas apenas escoltaram o oficial até uma unidade prisional militar, onde ele ficará preso preventivamente. De acordo com a legislação, oficiais não podem ficar presos em penitenciárias comuns, ainda que estejam respondendo a processos na Justiça civil.

Publicações com afirmação falsa somam ao menos 50 mil visualizações no TikTok e centenas de compartilhamentos no Facebook até esta sexta-feira (5).


Selo falso

Exército entra na sede da Polícia Federal e retira à força oficial preso [Mauro Cid] ontem

Vídeo mente ao dizer que Exército libertou o tenente-coronel Mauro Cid da prisão

Publicações mentem ao afirmar que o Exército invadiu a sede da PF para libertar da prisão o tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro. As publicações que fazem essa alegação distorcem os acontecimentos da última quarta-feira (3), quando o oficial, preso pela Justiça Civil, prestou depoimento na sede da PF em Brasília e depois foi levado em um comboio da Polícia do Exército a uma unidade prisional militar, onde ficará detido preventivamente.

Isso acontece porque Cid é um militar da ativa e, portanto, não pode cumprir pena em estabelecimentos civis, mesmo que a prisão tenha sido ordenada pela Justiça Civil. Como ele também é um oficial superior – denominação dada aos que ocupam as patentes de coronel, tenente-coronel ou major —, também tem direito a uma cela sem grades.

As peças usam trechos de uma reportagem veiculada pela Jovem Pan News no começo da tarde da última quinta-feira (4) sobre a reação do Exército à prisão de Cid. Em nenhum momento, no entanto, é dada a informação de que os militares teriam entrado na sede da PF para libertar o tenente-coronel. Na verdade, a reportagem narra a ordem dos acontecimentos que terminaram na prisão do oficial em uma unidade militar:

  • Na madrugada de quarta-feira (3), a PF solicitou que um oficial do Exército acompanhasse a operação, sem detalhar o teor da ação. De acordo com a lei, um militar deve acompanhar a prisão de outro militar;
  • Cid foi preso em sua residência, localizada em uma vila militar em Brasília;
  • O oficial foi então encaminhado à sede da PF, onde prestou depoimento;
  • Depois, um comboio da Polícia do Exército transportou Cid da sede da PF a uma unidade prisional militar, onde ele ficará preso preventivamente;
  • O Exército afirmou que não pretende suspender Cid ou instaurar um procedimento administrativo interno contra o oficial porque ele “encontra-se à disposição da Justiça, em procedimento que corre em sigilo”.
Leia mais
Checamos Janones engana ao dizer que Bolsonaro é investigado nos EUA por fraude em cartão de vacinação

O caso. Além de Mauro Cid, outras cinco pessoas foram presas na operação realizada na última quarta (3) para apurar a falsificação de dados do cartão de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e de aliados para incluir o registro de imunização contra a Covid-19. O objetivo era emitir falsos comprovantes de vacinação que permitissem o acesso a locais onde os certificados eram exigidos.

Segundo a apuração da PF, Cid teria sido o responsável por organizar o esquema. Ele também teria acionado integrantes de sua equipe para fraudar seu cartão de vacinação, além dos documentos de sua mulher e de suas três filhas.

Referências

  1. Terra
  2. STM
  3. Jota
  4. UOL (1 e 2)
  5. Jovem Pan News
  6. O Globo
  7. Carta Capital (1 e 2)
  8. Valor Econômico

Compartilhe

Leia também

Um estelionato a cada 16 segundos: por que os golpes digitais crescem no Brasil

Um estelionato a cada 16 segundos: por que os golpes digitais crescem no Brasil

falsoChina não homenageou Palestina em uniforme criado para a Olimpíada de Paris

China não homenageou Palestina em uniforme criado para a Olimpíada de Paris

falsoÉ montagem foto que mostra Kamala Harris ao lado de Jeffrey Epstein

É montagem foto que mostra Kamala Harris ao lado de Jeffrey Epstein