É mentira que Cristiano Ronaldo se recusou a usar braçadeira do movimento One Love na Eurocopa

Compartilhe

Não é verdade que Cristiano Ronaldo foi o único capitão de uma seleção de futebol que se recusou a usar a braçadeira do movimento One Love durante a Eurocopa de 2020. As peças de desinformação fazem diversas alegações mentirosas para fazer crer que o jogador português teria desobedecido uma ordem da Uefa. A polêmica em torno do uso da faixa ocorreu durante a Copa do Mundo de 2022, quando a Fifa baniu o acessório. Ronaldo não foi o único a não usar a braçadeira.

A peça de desinformação, que circula em diferentes línguas, acumulava centenas de compartilhamentos no X (ex-Twitter) e no Facebook. O conteúdo enganoso também circula no Threads.

Leia mais
WHATSAPP Inscreva-se no nosso canal e receba as nossas checagens e reportagens

Selo falso

🚨 Na Euro 2020, a UEFA (Associação Europeia de Futebol) ordenou que todos os capitães de equipe usassem faixas “OneLove”. A banda foi usada como símbolo do LGBTQ. Mas o capitão de Portugal, Cristiano Ronaldo, foi o único capitão europeu que não usou a banda. Respeito ❤️ Não somos obrigados a nada. Querem nos obrigar a ir contra as leis de Deus.

Foto mostra Cristiano Ronaldo cumprimentando Manuel Neuer. Edição destaca braçadeiras usadas pelos jogadores: a de Neuer tem a bandeira LGBTQIA+, enquanto a de Ronaldo é preta

Publicações nas redes misturam e distorcem fatos sobre diferentes campeonatos internacionais de futebol para sugerir que o jogador Cristiano Ronaldo foi o único capitão que se recusou a usar a faixa do movimento One Love, que luta contra a discriminação no esporte, durante a Eurocopa 2020:

  • Não é verdade que a Uefa (União das Associações Europeias de Futebol) ordenou que as seleções usassem a braçadeira do movimento durante a Euro 2020;
  • A polêmica em torno das faixas ocorreu, na verdade, durante a Copa do Mundo de 2022, no Qatar;
  • Na ocasião, Portugal não foi a única seleção a não usar a braçadeira.

O movimento One Love foi criado em 2020 pela seleção da Holanda para “enfatizar a mensagem de que todos os fãs de futebol são iguais”. Durante a Euro 2020, cujas partidas ocorreram em 2021, a única seleção que usou a braçadeira foi a Holanda.

Em setembro de 2022, pouco antes da Copa do Mundo no Qatar, outras nove seleções aderiram ao movimento: Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Inglaterra, França, Noruega, País de Gales, Suécia e Suíça.

A Fifa, no entanto, ameaçou punir com um cartão amarelo os jogadores que usassem a faixa do One Love durante partidas no Qatar. Por conta da sanção, seleções que antes tinham decidido usar a braçadeira voltaram atrás. A ordem da federação foi vista como um receio de uma possível reação das autoridades do Qatar, cujo governo criminaliza a homossexualidade.

Leia mais
Nas Redes Mulher trans agredida em vídeo não é petista nem estava no Qatar
Nas Redes Outdoor homofóbico que viralizou fica no Bahrein, não no Qatar

Foto. A peça de desinformação distorce ainda a foto que usa para ilustrar suas afirmações. O registro, feito em junho de 2021, mostra o goleiro e então capitão da seleção alemã, Manuel Neuer, cumprimentando Ronaldo antes da partida.

Neuer, que está de costas e veste uma braçadeira arco-íris, cumprimenta Cristiano Ronaldo, que está com faixa preta com dizeres ‘respect’
Orgulho. Faixa usada por Neuer na partida contra Portugal não tinha o logotipo do movimento One Love (Reprodução)

Diferentemente do que afirmam as peças, no entanto, a braçadeira arco-íris usada por Neuer não tinha relação com o movimento One Love: o jogador usou a faixa porque a partida ocorreu em junho, mês do orgulho LGBT+.

O acessório chegou, inclusive, a ser alvo de investigação da Uefa, que voltou atrás e arquivou o processo por entender que o símbolo foi usado por “uma boa causa”.

Compartilhe

Leia também

Como a ‘Abin paralela’ alimentou desinformadores com mentiras e dossiês

Como a ‘Abin paralela’ alimentou desinformadores com mentiras e dossiês

Federal Police investigation uncovers illegal operation targeting Aos Fatos

Federal Police investigation uncovers illegal operation targeting Aos Fatos

falsoDiscurso sobre ‘califado conquistar Paris’ é de 2020 e não tem relação com eleições francesas

Discurso sobre ‘califado conquistar Paris’ é de 2020 e não tem relação com eleições francesas