EUA não pediram prisão de Lula e Dilma ao investigar corrupção da Odebrecht

Compartilhe

Não é verdade que o Departamento de Justiça dos EUA desvendou a participação dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, do PT, em esquemas de corrupção. Tampouco foi confirmada a existência de mandados de prisão no país contra ambos. As informações falsas constam de publicação de 2016 do site Imprensa Viva que voltou a circular nos últimos dias em forma de corrente no WhatsApp.

O texto distorce e falseia informações de uma investigação do Departamento de Justiça norte-americano em 2016 nos esquemas de corrupção da Odebrecht e da Braskem, em particular no Brasil, nos EUA e em outros países em que atuavam. Entre as irregularidades listadas, os investigadores americanos apontaram pagamento de propina a políticos e funcionários de estatais brasileiras por parte das duas empresas. Segundo os documentos (que podem ser acessados aqui e aqui), o total pago em propina foi de US$ 599 milhões.

As investigações também mostraram que operadores do Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht, responsável pelo pagamento de propinas, atuaram nos Estados Unidos e que o esquema de corrupção usou bancos americanos. Nos documentos divulgados pelo Departamento de Justiça, porém, Lula e Dilma não são acusados ou mesmo citados nominalmente.

A corrente foi enviada por leitores do Aos Fatos no WhatsApp como uma sugestão de checagem. Para participar, adicione o número (21) 99747-2441 na sua lista de contatos e envie uma mensagem com o seu nome. O conteúdo original, publicado em 2016 pelo site Imprensa Viva, foi marcado como FALSO na ferramenta de verificação do Facebook.

Confira, abaixo, em detalhes, o que checamos.


FALSO

Departamento de Justiça dos EUA divulgam ao mundo toda a corrupção de Lula e Dilma.

A investigação americana teve por fim desvendar atos de corrupção cometidos pela Odebrecht em diversos países em que a empresa atuava, não apenas no Brasil. O esquema de propinas coordenado pelo Departamento de Operações Estruturadas da empresa teve operadores que atuaram nos EUA, em Miami, e também usou bancos americanos.

Já a possibilidade de pedido de prisão dos ex-presidentes petistas nos EUA surgiu primeiro em uma nota publicada pelo site O Antagonista em dezembro de 2016, que alertava para esse fato sem, no entanto, dar mais detalhes. Até o momento, a informação não se concretizou e, mesmo na época, não estava claro se o pedido mencionado pela nota estaria vinculado à investigação do Departamento de Justiça.

Nos documentos divulgados pelo governo americano, Lula e Dilma não são citados nominalmente. A investigação aponta como ato ilícito o repasse de R$ 50 milhões da Odebrecht à campanha de Dilma em 2010, quantia essa que teria sido solicitada pelo ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, conforme apurou o Estadão. Esse pagamento irregular já havia sido apontado por investigadores da Lava Jato na Omertá, 35º fase da operação.

De acordo com a investigação norte-americana, em troca da contribuição de campanha, o governo concedeu benefícios tributários à Braskem, como, por exemplo, na Medida Provisória 470, de 2009, relativa ao crédito prêmio do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). O acordo foi revelado na delação premiada de Cláudio Melo Filho, diretor de relações institucionais da Odebrecht. O texto da corrente distorce esse fato, atribuindo a MP erroneamente à Dilma Rousseff, sendo que ela foi editada e assinada por Lula.

Também não consta dos papéis divulgados pelo Departamento de Justiça, sendo, portanto, uma informação falsa da peça, que todo o sistema de corrupção passou pelo ex-presidente Lula.

Esse mesmo conteúdo já foi verificado pelo Comprova e pelo Boatos.org.

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas