Erradicação da maconha e outros pontos da política antidrogas, segundo Moraes

Compartilhe

Durante sua sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado nesta terça-feira (21), o ministro da Justiça licenciado, Alexandre de Moraes, negou que tenha dito, em dezembro do ano passado, que queria "erradicar a maconha em toda a América do Sul". Indicado ao Supremo Tribunal Federal na vaga do ministro Teori Zavascki, morto em janeiro em um acidente de avião, Moraes disse que "as pessoas inventam" e "uma invenção vira verdade".

Aos Fatos foi às origens da declaração, para verificar se, de fato, ela surgiu espontaneamente e sem critério jornalístico. A reportagem também checou outros pontos da fala de Moraes a respeito da política antidrogas. Trata-se de assunto que pautou a sabatina, uma vez que, se aprovado no Senado, Moraes poderá devolver ao plenário pedido de vista herdado do gabinete de Zavascki a respeito da legalização da maconha.

Veja, abaixo, o que checamos. Também verificamos uma série de suas declarações a respeito de foro privilegiado e quantidade de mulheres na magistratura, que é possível ler aqui.


FALSO

A questão de extirpar a maconha na América do Sul... Vejam, as pessoas inventam e vão passando para blogs que ninguém conhece. Os blogs vão proliferando e uma invenção vira uma verdade de que, por mais ridícula que seja, você tem que ficar sempre se defendendo.

O primeiro registro a respeito da afirmação de Moraes data de um sábado, 17 de dezembro de 2016, às 6h55, no blog do Lauro Jardim, no jornal O Globo. Segundo a apuração do jornalista Guilherme Amado, "Moraes, que foi ao Paraguai em julho e se deixou ser filmado desbastando pés de maconha, quer erradicar a maconha na América do Sul — feito que os Estados Unidos não conseguiram com a folha de coca na Colômbia".

Conforme o relato, a intenção foi apresentada numa reunião na segunda-feira, 12 de dezembro, no escritório da Presidência da República em São Paulo, cujo propósito era falar do Plano Nacional de Segurança do governo federal.

Segundo a matéria, participaram do encontro representantes do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Instituto Igarapé, Instituto Sou da Paz e Open Society. A reportagem não atribui o relato das intenções de Moraes a qualquer um dos presentes.

No mesmo dia, o jornal O Estado de S. Paulo publicou, às 17h23, reportagem com o seguinte título: "Ministro quer erradicar comércio e uso de maconha no Brasil". A referência à América do Sul só aparece no meio da matéria.

"Em duas horas e meia, o ministro detalhou como deverá ser executada a iniciativa, mostrando informações em mais de 90 slides de uma apresentação de Power Point. Quando se referiu a um dos eixos do plano, o combate a crimes transnacionais, Moraes expôs, em um slide com uma planta de maconha ilustrativa, a sua visão sobre o assunto.", narra o jornal.

O Estadão também trouxe o relato de uma das pessoas que participaram da reunião: Julita Lemgruber, coordenadora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes e ex-diretora-geral do sistema penitenciário do Estado do Rio. Segundo ela, trata-se de uma "ideia absolutamente irreal".

Aos Fatos também checou a informação com outros dois presentes na reunião, que confirmaram o relato reproduzido pelo Estadão. Eles preferiram manter o anonimato.

O plano oficial. Na apresentação que consta do site do Ministério da Justiça, não há slides com folhas de maconha nem menções à América do Sul. Na explicação do Plano Nacional de Segurança Pública, a única menção à palavra "maconha" está no slide 55, sob o tema "Inteligência e informações".

Sob esse mesmo título, há uma menção à "ampliação na utilização dos protocolos com Argentina, Paraguai, Uruguai, Peru e Bolívia. Renovação dos acordos com Suriname, Guiana, Colômbia e Guiana Francesa". O Paraguai também aparece no trecho em que o governo diz querer ampliar oficialatos de ligação com países da América do Sul.

Ainda na mesma apresentação, no capítulo de metas, o Ministério da Justiça projeta para 2017 aumento de 10%na quantidade de armas e drogas apreendidas. Para 2018, 15%.

Alexandre de Moraes sempre negou a autoria da frase. Na ocasião das reportagens de Estadão e O Globo, afirmou, em nota, que "dentre as várias ideias analisadas, jamais houve qualquer uma no sentido de erradicar o plantio e comercialização da maconha em toda a América do Sul, mesmo porque isso jamais seria de competência do Brasil e não se coaduna com os modernos métodos de combate ao crime organizado".


FALSO

Nós temos, no Brasil, um prejuízo de R$ 30 bilhões de contrabando de cigarro.

Há uma série de levantamentos, com números diferentes, que não batem com o número citado pelo ministro licenciado. O estudo "O custo do contrabando" é um deles. Elaborado em 2015 pelo Idesf (Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras), diz que o prejuízo para o país, entre perdas da indústria e não tributação, é de R$ 6,4 bilhões ao ano. Dessa quantia, R$ 4,5 bilhões correspondem aos tributos que o governo deixou de arrecadar em 2014.

Outro levantamento, de 2016, aponta que o país deixou de arrecadar R$ 4,9 bilhões em 2015. O número é do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade.

(A reportagem inicialmente atribuiu à checagem o selo EXAGERADO. No entanto, reviu a classificação e, às 23h25 de terça-feira, 21 de fevereiro de 2017, mudou para FALSO.)


IMPRECISO

72% das mulheres que estão presas… vejam a gravidade: de cada dez mulheres presas, sete são presas por tráfico; dessas sete, se uma realmente for traficante, é muito.

O ministro licenciado erra dados apontados pelo ministério em que atuou nos últimos meses. De acordo com pesquisa do Infopen (Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias), o tráfico de drogas é o motivo de 68% das prisões de mulheres no país. Os dados fazem parte do estudo oficial mais recente sobre o tema, divulgado em 2015 pelo Ministério da Justiça, segundo o qual a população carcerária feminina subiu de 5.601 para 37.380 detentas entre 2000 e 2014, um crescimento de 567% em 15 anos.

Um estudo mais antigo, de 2012, centrado apenas no Estado de São Paulo, mostrou números mais próximos ao de Moraes. O ministro licenciado foi secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, unidade da federação com maior quantidade de presos no país. Segundo o Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Ensino e Questões Metodológicas em Serviço Social, da PUC de São Paulo, 72% das presidiárias, à época do levantamento, respondiam por tráfico de drogas.

O número coincide com dado da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo, que verificou em 2015 que 72% das mulheres presas nas cadeias paulistas estão ali por causa do tráfico.


VERDADEIRO

A alteração legislativa despenalizou o usuário, não descriminalizou (...). Isso, ao invés de diminuir o número de prisões, fez com que aumentasse, porque se passou a tipificar o usuário que estava naquela linha tênue entre usuário e pequeno traficante, que compra um pouco mais e vende para sustentar o seu vício, esse, que antes da lei de 2006 era tipificado como usuário, passou a ser tipificado como traficante.

O Infopen (Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias), com dados de 2014, mostra que a Lei de Drogas, de 2006, não resultou em menos prisões relacionadas ao tráfico de drogas. A legislação, conforme explicou o ministro licenciado, despenalizou o indivíduo que porta drogas, porém, por ser considerada vaga e não especificar quantidade de substâncias entorpecentes, a norma acabou por estimular que o portador fosse considerado, em vez de usuário, traficante.

Conforme o estudo, os crimes de roubo e tráfico de entorpecentes respondem por mais de 50% das sentenças de condenados encarcerados. Em dez anos, a quantidade de presos associados ao tráfico saiu de 15% da população carcerária brasileira para 28%.

"É importante apontar o grande número de pessoas presas por crimes não violentos, a começar pela expressiva participação de crimes de tráfico de droga categoria apontada como muito provavelmente a principal responsável pelo aumento exponencial das taxas de encarceramento no país e que compõe o maior número de pessoas presas", diz o estudo.


Também checamos declarações de Alexandre de Moraes sobre mulheres na magistratura e outros temas. Veja.

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores