Equipe de Bolsonaro não encontrou caminhões pagos pelo BNDES e abandonados por Eike Batista

Por Alexandre Aragão

12 de novembro de 2018, 19h32


A equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) não encontrou centenas de caminhões abandonados por Eike Batista e financiados pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social). O vídeo que circula nas redes sociais com as informações falsas na legenda é, na verdade, trecho de uma reportagem televisiva de dezembro de 2016 sobre a quebra da safra de soja no Pará, que reduziu a demanda pelas carretas de uma transportadora local cujo dono compartilha com Eike somente o sobrenome Batista.

Os caminhões que aparecem no vídeo pertencem à Transportadora Batista Duarte e estavam à margem da BR-163, na cidade de Novo Progresso, no sudoeste do Pará, como mostrou reportagem da TV Progresso, afiliada da Band na região. À época, o dono da empresa, João Batista, afirmou que os veículos estavam parados porque a safra de soja havia ficado abaixo da expectativa. Apesar do sobrenome, ele não é parente de Eike Batista.

Publicada no último sábado (10), uma das versões do vídeo no Facebook já tem pouco mais de 130 mil visualizações e 13.500 compartilhamentos. Esse e outros posts com o mesmo conteúdo foram marcados por Aos Fatos com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (entenda como funciona).

A peça de desinformação também foi enviada por dezenas de leitores do Aos Fatos no WhatsApp como sugestão de checagem. Para participar, basta enviar uma mensagem com seu nome para (21) 99956-5882.

Confira abaixo, em detalhes, o que checamos.


FALSO

Equipe de Bolsonaro encontra 700 carretas pagas com dinheiro do BNDES e abandonadas por Eike Batista.

Nos diversos posts de Facebook e mensagens de WhatsApp, a reprodução de trechos da reportagem de 2016 da TV Progresso é sempre acompanhada de uma legenda recheada de informações falsas. O texto alardeia que foi a equipe de transição de Bolsonaro que descobriu “700 carretas abandonadas com adesivos do BNDES que eram de propriedade de Eike Batista”. Segundo a peça enganosa, as carretas foram financiadas pelo banco por R$ 150 milhões, teriam sido “confiscadas pela Justiça” e “ficaram jogadas ao tempo”. Nada disso é verdade.

Os veículos de carga pertencem à Transportadora Batista Duarte, que não é de Eike Batista. Na reportagem da TV Progresso, o verdadeiro dono da empresa, João Batista, disse que a frota estava parada porque a safra da região ficou abaixo da expectativa. “Houve uma falta do produto em função de falta de chuva no momento da plantação da soja e que, por si, atrapalhou a janela do milho”, disse.

“Quando chegou meados de setembro [de 2016], não tinha mais produto para o corredor aqui do Pará. Como eu tinha um contrato com a Bunge (empresa multinacional de alimentos), de janeiro deste ano [2016] até janeiro de 2017, fizemos um acordo de cavalheiros entre Batista e Bunge e ficamos parados”, continuou Batista. “O motivo de a [Transportadora] Batista [Duarte] estar parada é nada mais que isso, foi falta de produto na região.”

Além disso, a versão original do vídeo que foi publicado com as informações falsas está no YouTube e foi publicada em outubro de 2016, dois anos antes de Bolsonaro se eleger presidente.