Em seis meses de pandemia, Bolsonaro foi quem mais impulsionou apoio à cloroquina no Twitter brasileiro

11 de setembro de 2020, 12h39


Seis meses depois que o surto de Covid-19 foi oficialmente declarado como uma pandemia, o Radar Aos Fatos analisa como se deu o debate no Twitter em torno de uma dos principais temas de desinformação desse período, a cloroquina (inscreva-se aqui para receber o relatório completo todas as semanas).

O levantamento mostra que o presidente Jair Bolsonaro foi, nesses seis meses, quem mais gerou interações no Twitter brasileiro com postagens pró-cloroquina. Em seguida na lista, aparecem apoiadores seus, como Arthur Weintraub, irmão do ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, e os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Carla Zambelli (PSL-SP).

Os dados também sugerem que o debate sobre a cloroquina no Twitter está cada vez mais circunscrito aos entusiastas da droga. O engajamento sobre o assunto vem caindo continuamente e, nos últimos trinta dias, chegou a seu ponto mais baixo — pouco mais de 20% do volume que alcançou no pico entre maio e junho. Ao mesmo tempo, esse universo é cada vez mais dominado por quem defende o uso do remédio em pacientes com Covid-19 — 70% do engajamento sobre o assunto veio de posts pró-cloroquina.


Este conteúdo foi enviado nesta sexta-feira (11) por meio da newsletter Radar Aos Fatos e estará disponível gratuitamente nesse formato até o fim de setembro, quando passará a ser premium. Para receber os relatórios reservados como degustação, além de dados estruturados desse monitoramento, cadastre-se aqui.

sobre o

Radar Aos Fatos faz o monitoramento do ecossistema de desinformação brasileiro e, aliado à ciência de dados e à metodologia de checagem do Aos Fatos, traz diagnósticos precisos sobre campanhas coordenadas e conteúdos enganosos nas redes.