🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

É falso que Washington Post noticiou que China não quer usar a CoronaVac

Por Priscila Pacheco

7 de janeiro de 2021, 16h26

Não é verdade que o jornal americano The Washington Post noticiou que a China não quer usar em seus habitantes a CoronaVac, vacina contra Covid-19 da empresa chinesa Sinovac que será produzida pelo Instituto Butantan no Brasil. As postagens que trazem essa alegação falsa (veja aqui) também enganam ao citar que a sede da farmacêutica seria nas Ilhas Cayman, quando fica em Pequim, e que o governo paulista financia a empresa desde 2019. O contrato para a aquisição da vacina foi firmado apenas em junho de 2020.

As postagens reuniam ao menos 4.800 compartilhamentos no Facebook nesta quinta-feira (7) e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação (saiba como funciona).



É falso que o jornal americano The Washington Post noticiou que a China não quer usar a CoronaVac, vacina desenvolvida pela Sinovac que, no Brasil, ficará a cargo do Instituto Butantan. Também não é verdade que a sede da farmacêutica chinesa fica nas Ilhas Cayman e que ela é financiada pelo governo de São Paulo desde 2019. Essas alegações enganosas constam em posts que reúnem milhares de compartilhamentos nas redes.

O arquivo do jornal The Washington Post não contém reportagens que atestem as afirmações das postagens. Em outubro, o veículo noticiou que quatro vacinas experimentais produzidas por três empresas chinesas - Sinovac Biotech, Sinopharm e CanSino Biologics - eram usadas em regime emergencial ainda durante os testes clínicos. A aprovação da CoronaVac para uso emergencial na China ocorreu em julho de 2020 e continua em vigor.

O motivo alegado pelas postagens para a recusa do país em usar a vacina, de que a Sinovac estaria "com problemas na China", distorce informações de reportagem publicada pelo jornal em dezembro sobre casos de suborno envolvendo a empresa no passado.

O texto destaca, por exemplo, que Yin Weidong, fundador da farmacêutica, admitiu em um testemunho em 2016 que pagou mais de US$ 83 mil em propinas entre 2002 e 2011 para Yin Hongzhang, ex-vice-diretor do FDA China (Food and Drug Administration, agência reguladora de medicamentos e alimentos da China), e sua esposa.

Segundo a reportagem, Weidong não foi acusado e continua trabalhando na empresa. Já Hongzhang foi condenado em 2017 a dez anos de prisão por ter aceitado propina da farmacêutica e de outras sete empresas. Entretanto, o texto do Washington Post cita que a Sinovac não se envolveu em escândalos de segurança e que não há evidências de que alguma das vacinas aprovadas em casos de suborno tenham apresentado problemas.

Sede na China. Além disso, a sede da Sinovac está localizada em Pequim, capital chinesa, e não nas Ilhas Cayman, no Caribe. É falso ainda que o governo de São Paulo financia a empresa desde 2019: o contrato para a aquisição da vacina foi o primeiro firmado entre as partes e só ocorreu em junho de 2020. A CoronaVac, inclusive, poderá ser a primeira vacina da farmacêutica licenciada no Brasil.

Referências:

1. Aos Fatos
2. The Washington Post (Fontes 1, 2 e 3)
3. UOL
4. Our World in Data
5. Bloomberg
6. Sinovac
7. Estadão


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.