É falso que vacina da Pfizer tem organismos vivos em sua composição

Compartilhe

Não é verdade que a vacina contra a Covid-19 da Pfizer tem organismos vivos e substâncias como alumínio, bromo e grafeno, como alegam publicações nas redes sociais (veja aqui). Análises feitas por agências reguladoras pelo mundo não constataram a presença desses elementos na composição do imunizante.

Publicações com o conteúdo enganoso contabilizavam ao menos centenas de compartilhamentos no Facebook nesta quarta-feira (27).


Selo falso

Médico polonês Franc Zalewski afirma ter encontrado forma na vacina da Pfizer contra a Covid-19, que contém grafeno, baseada em alumínio, bromo e carbono

Imagens de microscópio acompanhada de legenda falsa de que vacina tem grafeno e nova forma de vida

Circula nas redes sociais a alegação de que vacinas da Pfizer contra a Covid-19 contém “outra forma de vida” e substâncias como alumínio, bromo e grafeno. Nenhum desses elementos foram identificados na composição do imunizante em análises feitas por órgãos reguladores como a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o FDA (Food and Drug Administration, do governo dos EUA) e a EMA (European Medicines Agency, agência da União Europeia). Em todos esses casos, a vacina foi liberada para uso.

A vacina da Pfizer é composta por RNA mensageiro (mRNA) e algumas substâncias inertes que são incorporadas como veículo para medicamentos, como água, sais, gorduras e açúcar.

Segundo Ana Paula Herrmann, biomédica e professora de Farmacologia do ICBS/UFRGS (Instituto de Ciências Básicas da Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, não existe forma de vida baseada em alumínio e bromo. Os organismos vivos são compostos principalmente por carbono e hidrogênio.

“Todos os seres vivos — e mesmo os vírus — são feitos de macromoléculas que são lipídios, carboidratos, proteínas e material genético (DNA/RNA), e tudo isso é feito de carbono, oxigênio, hidrogênio e nitrogênio basicamente, além de outros elementos em menor quantidade”, explica.

De acordo com o biomédico e microbiologista Mateus Falco, da UEL (Universidade Estadual de Londrina), bromo e alumínio até podem ser encontrados em organismos, mas por meio de ingestão. “O alumínio, por exemplo, poderia entrar em um organismo pela alimentação com peixes contaminados”, ressaltou.

Origem. A peça de desinformação traz um vídeo em que um geólogo polonês chamado Franc Zalewski, da Universidade da Silésia — que não é médico, embora seja apresentado como tal — afirma ter encontrado um suposto organismo vivo em um frasco da vacina da Pfizer. Ele não informou como obteve o material nem como chegou a essa conclusão.

Procurado por Aos Fatos, Zalewski não retornou o contato. Em resposta ao site de checagem Health Feedback, o geólogo alegou que o organismo pode ser de origem extraterrestre.


Aos Fatos integra o Third-Party Fact-Checking Partners, o programa
de verificação de fatos do Facebook. Veja aqui como funciona a parceria.


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Compartilhe

Leia também

Por um uso ético da IA no jornalismo

Por um uso ético da IA no jornalismo

falsoBolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

Bolsonaro não admitiu em áudio participação de Flávio em ‘rachadinha’

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas