🕐 Esta reportagem foi publicada há mais de seis meses

É falso que taxa de eficácia da CoronaVac caiu de 78% para 50,38% e 49,69%

Por Priscila Pacheco

14 de janeiro de 2021, 18h57

Não é verdade que a taxa de eficácia da CoronaVac, vacina contra Covid-19 desenvolvida pela Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, caiu de 78% para 50,38% e depois para 49,69%, conforme apontam publicações que circulam nas redes sociais (veja aqui).

O dado de 77,96% é verdadeiro, mas relacionado a contextos específicos, o chamado desfecho secundário. Na CoronaVac, ele corresponde à eficácia na prevenção de casos leves que precisariam de internação. Já os 50,38% representam o desfecho primário e indicam a eficácia global, ou seja, a capacidade de proteção da vacina contra todas as ocorrências da doença, de extremamente leve à grave.

O percentual de 49,69%, por sua vez, deriva de um cálculo que circulou nas redes sociais em que foram considerados apenas os números absolutos dos casos nos grupos de voluntários vacinados e que receberam placebo, substância sem efeito, nos testes clínicos. Porém, o protocolo do Instituto Butantan previa o cálculo com outro modelo, que utiliza uma variável que considera o tempo que um voluntário fica exposto ao risco de ser infectado.

Esta peça de desinformação reunia ao menos 2.000 compartilhamentos nesta quinta-feira (14) no Facebook e foi marcada com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona).


Já está sendo comprovado que a eficácia da danada que era de 78% e depois caiu para 50,38% (o mínimo exigido pela Anvisa e OMS). Agora está em 49,69%.

Publicações que têm circulado nas redes sociais enganam ao afirmar que a taxa de eficácia da CoronaVac, vacina contra Covid-19 desenvolvida pela empresa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, caiu paulatinamente de 78% para 50,38% e, depois, para 49,69%.

De fato, no dia 7 de janeiro o governo de São Paulo anunciou que a CoronaVac tinha eficácia de 77,96% para prevenir casos leves que precisariam de internação. Entretanto, este dado é um desfecho secundário, relacionado a um contexto específico, e não deve ser confundido com a taxa de eficácia global, esta sim de 50,38% e apresentada nesta semana pelo Instituto Butantan. O chamado desfecho primário indica a capacidade de proteção da vacina contra todas as ocorrências da doença, de extremamente leve à grave.

Já o dado 49,69% de eficácia nem mesmo é oficial. Ele surgiu de projeções feitas por usuários das redes sociais a partir de um cálculo que considera somente o número absoluto das ocorrências da doença entre os voluntários. É uma metodologia que existe e se chama incidência acumulada, mas que não foi empregada pelo Instituto Butantan - e por isso não pode ser atribuída à CoronaVac da maneira como faz a peça de desinformação.

Em seu protocolo de pesquisa publicado em agosto de 2020, o Butantan determinou o uso do modelo de Wilcoxon, que utiliza a “hazard ratio”, uma variável que considera o tempo que um voluntário fica exposto ao risco de ser infectado.

Ao Estadão, Ricardo Palacios, diretor médico de pesquisa clínica do Butantan, explicou que o método foi escolhido por se tratar de um estudo de curta duração, no qual o tempo de exposição aos riscos de contaminação pode variar muito entre cada voluntário: “na análise da eficácia pelo hazard ratio (1 - hazard ratio, que é 1 menos a razão da taxa de incidência), o tempo de exposição de cada voluntário é somado para calcularmos um índice de casos conforme o tempo”.

Assim, o Butantan usou números de densidade de incidência para calcular a taxa de eficácia e chegar aos 50,38%.

A taxa de 49,69% surgiu após distorção de uma fala de Denise Garrett, epidemiologista e vice-presidente do Instituto de Vacina Sabin, ao site O Antagonista. No Twitter, a médica afirmou que o número foi descontextualizado e que, de acordo com os dados apresentados pelo Instituto Butantan, a CoronaVac tem eficácia de 50,4%.

Referências:

1. BBC Brasil
2. Instituto Butantan
3. Estadão
4. Twitter Denise Garrett


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.