É falso que STF afastou Bolsonaro e deu a governadores controle de ações contra a pandemia

Por Priscila Pacheco

18 de janeiro de 2021, 17h15

Não é verdade que o STF (Supremo Tribunal Federal) afastou o presidente Jair Bolsonaro e deu a governadores e prefeitos o controle das ações contra a pandemia de Covid-19, como alegam postagens nas redes (veja aqui). As decisões da corte preveem que estados e municípios têm autonomia ao adotar medidas para conter a doença e que o governo federal não pode agir para revertê-las, como é o caso das regras de distanciamento social. Entretanto, os ministros não isentaram o Executivo federal de responsabilidades na gestão da crise.

Esta desinformação circula desde o ano passado e é recorrente no discurso do presidente Jair Bolsonaro. Desta vez, a alegação ganhou força nas redes após o colapso do sistema de saúde de Manaus. No Facebook, posts contam com ao menos 6.374 compartilhamentos no Facebook nesta segunda-feira (18). Eles foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona).


“Vai que alguém esqueceu! Só Pra Lembrar! STF afastou o presidente do controle da Covid-19 e deu a governadores e prefeitos. Não cobrem do presidente”.

São enganosas as postagens que ressaltam que o governo federal foi proibido pelo STF (Supremo Federal Tribunal) de promover ações contra a Covid-19. Na verdade, decisões do Supremo publicadas entre abril e maio de 2020 determinaram que a União não poderia interferir em decisões de governadores e prefeitos sobre medidas restritivas como o isolamento social. Entretanto, o órgão salientou também a responsabilidade da União em agir contra a pandemia.

Desde então, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e apoiadores têm disseminado a desinformação. Até o dia 15 de janeiro, Bolsonaro havia repetido a alegação enganosa 69 vezes, segundo o contador de declarações checadas do presidente. Aos Fatos também fez checagens de usuários de redes sociais sobre o tema em julho e agosto.

Além disso, em junho, os ministros do STF Cármen Lúcia e Marco Aurélio Mello já haviam desmentido em entrevistas que as decisões do órgão isentavam o governo federal de implementar ações contra a pandemia.

Por fim, na tarde desta segunda-feira (18), o órgão publicou uma nota desmentindo as publicações. "Conforme as decisões, é responsabilidade de todos os entes da federação adotarem medidas em benefício da população brasileira no que se refere à pandemia", diz um trecho do texto.

Amazonas. A narrativa contra o STF voltou à tona diante do novo colapso no sistema de saúde de Manaus que, além de ter que lidar com a falta de leitos, enfrenta uma escassez de oxigênio, elemento importante para o tratamento de pessoas em estágios mais graves. O discurso tem sido usado como forma de isentar o Executivo federal de qualquer responsabilidade quanto ao caos na capital amazonense.

Entretanto, apesar de o presidente argumentar que tomou medidas contra a crise e acusar o estado de não administrar bem os recursos enviados pela União, no ranking de distribuição de verbas federais por habitante para capitais em 2020, Manaus ficou em penúltimo lugar, à frente apenas do Rio de Janeiro. O repasse foi de R$ 2,36 bilhões, o que rende cerca de R$ 1.063,26 per capita.

Referências:

1. Aos Fatos (Fontes 1, 2 e 3)
2. STF (Fontes 1 e 2)
3. G1
4. UOL
5. BR Político
6. BBC Brasil
7. Folha de S. Paulo


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.