É falso que pesquisa americana não encontrou Sars-Cov-2 em 1.500 testes positivos

Por Priscila Pacheco

23 de abril de 2021, 19h02

Postagens nas redes sociais enganam ao afirmar que estudos realizados nos EUA não conseguiram encontrar o Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19, em 1.500 testes RT-PCR que haviam dado positivo (veja aqui). Buscas feitas por Aos Fatos em bases de dados científicos não retornaram resultados de que esse experimento tenha sido realizado e não é possível sequer confirmar que o alegado autor do estudo existe.

No Facebook, as postagens reuniam centenas de compartilhamentos nesta sexta-feira (23) e foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da plataforma (veja como funciona).


Laboratório nos EUA não conseguem encontrar Covid-19 em um dos 1.500 testes “positivos”

Não é verdade que uma pesquisa americana não encontrou o vírus causador da Covid-19 em 1.500 amostras de RT-PCR que haviam dado positivo. As publicações que fazem essa alegação atribuem o resultado a um “cientista clínico e imunologista-virologista” chamado Derek Knauss, que trabalharia com sua equipe “no sul da Califórnia”. No entanto, não há registros do estudo e tampouco há qualquer evidência de que esse pesquisador exista.

A peça de desinformação também engana ao dizer que o CDC (Centers for Disease Control, órgão de saúde do governo americano) se recusou a enviar amostras do vírus Sars-Cov-2 para análise. Na realidade, o vírus isolado está disponível para a comunidade científica desde fevereiro do ano passado.

Ainda no dia 20 de janeiro do ano passado, o CDC iniciou um processo de isolamento e análise da amostra do patógeno coletado do primeiro americano infectado por Covid-19 no país. O material foi enviado quinze dias depois para o repositório do NIH (National Institutes of Health). O NIH também mantém um banco de dados público sobre o sequenciamento genético completo do Sars-CoV-2.

O Aos Fatos buscou evidências que pudessem comprovar a existência do estudo no Clinical Trials, site para registro de ensaios clínicos, em plataformas da OMS (Organização Mundial da Saúde) e da Wiley Online Library, plataforma americana que compila resultados de periódicos científicos, mas não encontrou qualquer pesquisa semelhante.

O nome de Derek Knauss, o “cientista clínico e imunologista-virologista” que seria responsável pela experiência, também não aparece em bases de cientistas como Researchgate, PubMed, Scopus e Google Scholar. Na mídia, não foram encontradas notícias sobre os resultados ou o autor, além do conteúdo desinformativo e checagens.

No Brasil, peças de desinformação similares foram checadas pelo G1 e Boatos.org, e em outros países, Maldita, Open.online e AFP também realizaram checagens das mesmas postagens em diferentes idiomas.

Referências:

1. CDC
2. NIH (Fontes 1 e 2)
3. Clinical Trials
4. OMS
5. Wiley Online Library
6. Researchgate
7. PubMed
8. Scopus
9. Google Scholar


De acordo com nossos esforços para alcançar mais pessoas com informação verificada, Aos Fatos libera esta reportagem para livre republicação com atribuição de crédito e link para este site.

Usamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade. Ao continuar navegando, você concordará com estas condições.