É falso que OMS alertou que Índia e China exportam máscaras com coronavírus

Compartilhe

Não é verdade que o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Ghebreyesus, tenha alertado que máscaras de proteção fabricadas na China e na Índia estão sendo distribuídas contaminadas pelo novo coronavírus (veja aqui). O vídeo compartilhado nas redes sociais é uma montagem feita a partir de imagens de uma fala de Ghebreyesus dublada e legendada de forma enganosa. Na gravação original, exibida pela GloboNews no dia 30 de março, o executivo fala, na verdade, sobre os riscos de sistemas de saúde ficarem sobrecarregados devido à pandemia da Covid-19.

Difundida por perfis pessoais no Facebook, a peça de desinformação tinha mais de 509 mil compartilhamentos até o começo da noite desta segunda-feira (27). Todas as publicações foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (saiba como funciona).


FALSO

OMS alerta sobre máscaras infectadas que chegam ao Brasil

O diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Ghebreyesus, não afirmou que máscaras de proteção produzidas pela Índia e pela China estão sendo exportadas contaminadas com o novo coronavírus. Publicações que circulam nas redes sociais compartilham um vídeo com trechos de uma entrevista do executivo dublado e legendado de forma enganosa. Na verdade, Ghebreyesus falava sobre os sistemas de saúde diante à pandemia da Covid-19.

A peça de desinformação usa as imagens da entrevista transmitida pela GloboNews no dia 30 de março, como é possível observar por meio de um dos resumos do noticiário que aparece no início dos dois vídeos usados na montagem e pelo horário na tela. No entanto, a tradução simultânea feita pelo jornalista Marcelo Lins e o título “OMS atualiza informações sobre pandemia do novo coronavírus” foram adulterados.

O vídeo falso tem um minuto e apresenta uma voz diferente da de Lins na tradução, que afirma que máscaras estão contaminadas e foram fabricadas em locais sem higiene adequada. A gravação também inclui legendas e imagens de cobertura que não constam no vídeo original e que mostram pessoas fazendo máscaras cirúrgicas no chão.

Já o vídeo exibido pela GloboNews tem sete minutos da entrevista coletiva concedida por Ghebreyesus. Na ocasião, ele falou sobre o risco de sistemas de saúde ficarem sobrecarregados e as orientações sobre como fazer o atendimento de pacientes com Covid-19 e manter, ao mesmo tempo, outros atendimentos essenciais. Não há citações sobre máscaras contaminadas no trecho exibido.

O Aos Fatos questionou à OMS se houve algum alerta sobre a comercialização de máscaras fabricadas em condições insalubres. Segundo a entidade, não foram publicados avisos semelhantes sobre a compra de máscaras.

Outras versões sobre a importação de máscaras contaminadas também têm circulado nas redes sociais e já foram desmentidas pelo Aos Fatos e pelo Ministério da Saúde. Segundo a pasta, não há nenhuma evidência de que produtos enviados da China para o Brasil tragam o vírus que causa Covid-19. Além disso, o transporte das máscaras entre os países demora alguns dias, e que o vírus não sobreviveria durante a viagem.

Compra da China. O Ministério da Saúde comprou da China 240 milhões de máscaras para distribuir a profissionais da saúde que atuam na rede pública. São 200 milhões de máscaras cirúrgicas três camadas -- o que possibilita mais proteção -- e 40 milhões do tipo N95. Segundo a pasta, para cada carga ser liberada é preciso ter inspeção da autoridade chinesa e da certificação brasileira. Já para a população em geral, o Ministério da Saúde recomenda o uso de máscaras caseiras.

Em nota enviada ao Aos Fatos, o órgão disse que a primeira remessa das 240 milhões de máscaras está prevista para chegar ao Brasil nesta semana. De acordo com a pasta, não foi feita nenhuma compra de máscaras da Índia.

Referências:

1. Aos Fatos
2. Ministério da Saúde (1, 2 e 3)
3. G1 (Fontes 1 e 2)
4. O Globo
5. The New England Journal of Medicine

Compartilhe

Leia também

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

Ações clandestinas da ‘Abin paralela’ realçam violências reais

falsoIdosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

Idosa foi presa por tráfico, não por participar dos atos golpistas do 8 de Janeiro

falsoLula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores

Lula devolveu 423 presentes recebidos durante mandatos anteriores