É falso que mensagem de WhatsApp não pode ser hifenizada

Compartilhe

Não é verdade que mensagens digitadas no WhatsApp não possam ser hifenizadas, como afirmou o militante Allan dos Santos para falsamente insinuar que a Folha de S.Paulo teria adulterado reproduções de conversas entre a jornalista Patrícia Campos Mello e a fonte de uma de suas reportagens (veja aqui). A translineação, ato de passar de uma linha para a outra, ficando parte da palavra na linha superior sucedido de hífen e o resto na seguinte linha, é possível em aparelhos que usem o sistema operacional Android devido a um recurso chamado TextView.

Os prints foram publicados pelo jornal para contrapor informações proferidas por Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário de uma agência de difusão de mensagem em massa por WhatsApp, à CPMI das Fake News. A presença do hífen em uma das imagens chamou a atenção do blogueiro e de outros usuários do Twitter também porque a mesma reportagem apresenta duas reproduções da mesma conversa, uma com a hifenização, outra não.

Além disso, em vídeo publicado em sua conta no Twitter, a jornalista esclareceu que as capturas foram feitas em dois aparelhos diferentes: a com hífen em um Motorola G6; a sem hífen em um Motorola G8 Plus, com tela maior e sistema operacional mais moderno.

Publicada pelo blogueiro no início da manhã desta quarta-feira (12), publicações com o conteúdo enganoso se espalharam no Facebook e no Twitter e já acumulam 3.000 compartilhamentos. No Facebook, todas elas foram marcadas com o selo FALSO na ferramenta de monitoramento (saiba como funciona).


FALSO

Diferentemente do que afirma o blogueiro do Terça Livre Allan dos Santos, mensagens digitadas no WhatsApp podem, sim, ser hifenizadas. Segundo o blogueiro, a presença do hífen em uma reprodução de conversa entre a jornalista Patrícia Campos Mello e a fonte de uma de suas reportagens seria um indicativo de que a imagem, que foi publicada pelo jornal, teria sido manipulada. No entanto, o sistema operacional Android possui um recurso padrão chamado TextView que permite a separação silábica.

A Folha de S.Paulo publicou duas reproduções de uma mesma conversa entre a repórter e Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário de uma agência de difusão de mensagem em massa entrevistado por Mello para uma reportagem. O objetivo era contrapor informações proferidas por Nascimento contra a jornalista em depoimento à CPMI das Fake News na terça-feira (11). Uma das imagens, no entanto, trazia o texto hifenizado, outra não.

Após a publicação de Allan dos Santos sobre a possível fraude do jornal, usuários do Twitter argumentaram que a hifenização poderia ocorrer. O jornalista e consultor do Aos Fatos Sérgio Spagnuolo, por exemplo explicou que o TextView pode ser programado para fazer a separação silábica em três frequências diferentes: 0 (nenhuma), 1 (hifenização menos frequente, útil em casos informais, como mensagens de texto) e 2 (hifenização padrão, útil para textos corridos e para telas pouco espaçosas). Os níveis estão descritos na tabela abaixo, retirada do portal de desenvolvedores do Android:

A hifenização também é um recurso que pode ser usado de acordo com a formatação do celular no que se refere à quebra de linhas de texto. Uma das opções disponíveis, segundo o próprio sistema, “utiliza estratégia de alta qualidade, incluindo hifenização”.

As mudanças no código do TextView podem ser feitas por desenvolvedores. A depender do tipo de aparelho, as configurações podem mudar. Em vídeo publicado em sua conta no Twitter, a jornalista Patrícia Campos Mello, autora da reportagem, afirmou que foram feitos dois prints das mensagens em dois aparelhos de celulares diferentes: o primeiro deles, que apresentava o hífen, era um Moto G6, com sistema operacional Android 8.0; o segundo, um Moto G8 Plus. Veja, abaixo, as imagens das reproduções.

Em publicação no Twitter, o jornalista especializado em tecnologia Raphael Hernandes também explicou que, a partir do Android 6, lançado em 2015, foi habilitada a hifenização automática dos textos do sistema, que calcula e determina uma amplitude máxima e mínima para as linhas de um parágrafo. Esse processo varia de acordo com o aparelho por questões relacionadas ao tamanho da tela, à resolução e ao tamanho e tipo de fonte usada. A partir do Android 9 — versão mais recente, no entanto, o sistema de hifenização vem desabilitado por padrão.

É possível perceber nos prints, ainda, que os padrões de data e hora das reproduções estão diferentes, o que reforça o argumento de que foram feitas em dois aparelhos diferentes. No primeiro, mais recente, a hora segue o padrão americano (1:09 PM); no segundo, o padrão é o brasileiro (13:09).

Reportagem e repercussão. Em dezembro de 2018, a jornalista Patrícia Campos Mello publicou na Folha de S.Paulo uma reportagem que revelava que a empresa Yacows, especializada em marketing digital, usava de forma fraudulenta o CPF de idosos para registrar chips de celular que fizessem o disparo de lotes de mensagens via WhatsApp nas eleições de 2018. Um dos entrevistados da matéria era Hans River do Nascimento, ex-funcionário da empresa.

Convocado pelo deputado Rui Falcão (PT-SP), Nascimento prestou depoimento na terça-feira (11) à CPMI das Fake News — que investiga, entre outros assuntos, a disseminação de notícias falsas nas eleições — e fez uma série de insinuações sobre a jornalista. Em resposta, a Folha publicou uma reportagem na qual contrapõe as suas falas com imagens das conversas entre ele e Mello.

Outro lado. Contatado por Aos Fatos via email, o blogueiro Allan dos Santos não deu retorno até a publicação desta reportagem.

Referências

  1. Folha de S.Paulo (1 e 2)
  2. Android Developers (1 e 2)
  3. LWN.net
  4. Medium

Compartilhe

Leia também

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans