É falso que mãe de morto no Jacarezinho aparece em vídeo segurando fuzil

Compartilhe

Não é a mãe de um dos mortos em operação policial no Jacarezinho, no Rio de Janeiro, a mulher que aparece em vídeo empunhando um fuzil e dançando funk, como alegam posts nas redes sociais (veja aqui). O perito audiovisual Ricardo Caires comparou as imagens a pedido do Aos Fatos e concluiu que as fisionomias não são compatíveis. Já a Polícia Civil primeiro afirmou, por telefone, que a alegação seria “fake news”, mas depois, por e-mail, disse apenas estar à disposição para iniciar uma investigação.

Posts enganosos reuniam ao menos 25.900 compartilhamentos no Facebook nesta terça-feira (11) e foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação ‌(‌saiba‌ ‌como‌ ‌funciona‌). O conteúdo foi também amplificado por figuras públicas, como a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. As postagens dela foram apagadas na tarde desta terça.


Essa é a mãezona que estava gritando desesperada pela morte do filho na OPERAÇÃO JACAREZINHO. Apoiada pela MIDIA LIXO. OBS: Ela estava apenas segurando um GUARDA CHUVA.

É falso que Adriana Araújo, mãe de Marlon Santana de Araújo, um dos 28 mortos após operação policial na semana passada no Jacarezinho, no Rio de Janeiro, seja a mulher que aparece em vídeo dançando funk e empunhando um fuzil, como tem sido alegado em posts nas redes sociais desde que ela apareceu em uma reportagem da TV Globo.

A pedido do Aos Fatos, o perito audiovisual Ricardo Caires comparou elementos do rosto das mulheres e, em parecer, concluiu que as fisionomias não são compatíveis. Foram detectadas, por exemplo, diferenças no comprimento e curvatura do nariz e da boca e também no espaçamento entre os olhos. Acesse o parecer técnico na íntegra aqui.


Análise. Perito identificou diferenças no formato do nariz e dos olhos das duas mulheres


Comparativo. Acima, trecho da análise do perito sobre o nariz da mãe e da mulher mostrada no vídeo

Após a publicação desta checagem, o UOL Confere verificou que a mulher no vídeo é Rosana do Carmo, moradora de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e que o fuzil era uma réplica de airsoft, arma que dispara bolinhas de plástico na pressão.

Adriana Araújo já negou, em entrevistas à Record TV e à Rede Globo, ser a mulher que aparece no vídeo e disse que tem recebido ameaças. Ao Aos Fatos, a família dela rechaçou a alegação das postagens e disse que faria um registro de ocorrência do caso.

Em nota enviada por e-mail na tarde desta segunda-feira (10), a Polícia Civil, responsável pela operação no Jacarezinho, não negou nem confirmou que as imagens mostrassem Araújo e disse estar à disposição dela para "realizar procedimento investigatório". Mais cedo, porém, a assessoria da corporação havia afirmado ao Aos Fatos por telefone que as alegações que circulavam nas redes sociais eram "fake news".

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), que fez a falsa associação entre as mulheres em posts nas suas redes sociais, foi procurada por Aos Fatos na segunda-feira (10) por meio de sua assessoria, mas não respondeu até a publicação desta checagem. No fim da tarde de terça, as postagens enganosas não constavam mais nos perfis da parlamentar.

Segundo a Polícia Civil, a operação de quinta-feira (6) no Jacarezinho tinha o objetivo de cumprir 21 mandados de prisão por associação ao tráfico de drogas. Os suspeitos foram denunciados com base em fotos com armas postadas nas redes sociais. A incursão resultou em 28 mortos, entre eles um policial.

Referências

  1. G1
  2. Globoplay (1 e 2)
  3. YouTube
  4. Folha

Compartilhe

Leia também

falsoFilho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

Filho de Lula não comprou a Azul Linhas Aéreas

falsoVídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

Vídeo é editado para fazer crer que família Bolsonaro apoia pré-candidatura de Pablo Marçal

falsoPosts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans

Posts usam foto de outra pessoa para sugerir que autor de atentado contra Trump era trans